PUBLICIDADE
Topo

Akin Abaz

Campanha para doar computador para minorias é fundamental na nossa luta

Andrea Piacquadio/ Pexels
Imagem: Andrea Piacquadio/ Pexels
Akin Abaz

Akin Bakari D'Angelo dos Santos é fundador da InfoPreta e homem trans. Um curioso nato e um amante do desconhecido, sempre se interessou por montar, desmontar e entender o funcionamento dos eletrônicos. Fez cursos técnicos na adolescência e, aos 15 anos, já atuava na área da indústria com manutenção eletrônica de maquinário pesado. Em 2011, começou a consertar computadores em seu quarto e dois anos depois fundou a InfoPreta, empresa de serviços de manutenção que tem por objetivo inserir pessoas negras, LGBTQI+ e mulheres no mercado tech, aliando lucros a projetos sociais de grande impacto.

Colunista do UOL

10/12/2020 04h00

Após falar muito sobre o começo da InfoPreta, vou explicar sobre um dos nossos projetos sociais de maior impacto. Para quem não conhece, prazer, o Notes Solidários da Preta chegou.

Durante o curso técnico e a graduação, eu não tinha computador e isso dificultava muito o meu desenvolvimento. Então, quando fundei a InfoPreta, lá em 2013, me vi com a oportunidade de mudar a vida das pessoas com uma atitude que sempre comento: olhar para o lado e enxergar o outro como ser humano. Não queria que alguém mais sentisse a frustração que senti por não ter um computador em casa para estudar.

O projeto foi criado no início da empresa e comecei a divulgar entre as amigas de minha mãe e alguns amigos. Dessa forma, recebi a primeira doação: um G480 da Lenovo. Desde esse momento nunca mais parei o projeto.

Sempre proponho ideias insanas para a equipe InfoPreta. Desde 2014, lançamos em dezembro o Preta Noel, quando selecionamos o maior número de estudantes e doamos máquinas para que todos iniciem o próximo ano realizados e motivados.

O projeto tem como objetivo doar equipamentos que as pessoas não utilizam mais e tendem a somente deixar em algum canto da casa para depois descartar.

Pegamos esse equipamento, damos suporte e manutenção para deixá-lo em condições de uso para um de nossos beneficiários do projeto Notes Solidários da Preta.

E quais são os critérios para a seleção dos estudantes e instituições?

O principal critério é a pessoa estar cursando o ensino superior. Depois temos alguns critérios mais específicos, como:

  • Mães
  • Pessoas negras de baixa renda
  • Pessoas transexuais
  • Pessoas negras LGBTIs
  • Pessoas indígenas
  • Pessoas com deficiência

E por que priorizamos essas características?

Todas elas estão enquadradas dentro do que a sociedade chama de "minoria".

"Minoria" não significa que estão em menor número de pessoas e sim com uma desvantagem social. São as relações de dominação que se enquadram dentro dos diferentes subgrupos pela sociedade, ou seja, o grupo de dominantes que determina como padrão quem seria minoria ou não dentro da sociedade.

Essa dominação produz preconceitos como sexismo, racismo e LGBTfobia.

Importante lembrar também que não há consenso absoluto entre o conceito de minorias, principalmente pelo fato de que em meio as discussões sempre haverá opiniões diversas referentes ao assunto.

Já são mais de cem equipamentos diversos doados para estudantes e também para ONGs que promovem a igualdade de acesso a informações dentro de comunidades ou locais de maior propensão de pessoas que se enquadram na "minoria".

Então, cada vez mais esperamos impactar —diretamente e indiretamente— mais vidas por meio do apoio às minorias, mostrando que, sim, é possível misturar o lado empresarial e social de uma empresa e impactar ao mesmo tempo.

Quer saber como ajudar? Acesse infopreta.com.br