PUBLICIDADE

Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Guilty Gear Strive tem performance online (quase) perfeita; confira review

Guilty Gear Strive - Divulgação/Arc System Works
Guilty Gear Strive Imagem: Divulgação/Arc System Works

Por Jefferson Kayo

Colaboração para o Start

11/06/2021 04h00

Desde sua origem no PSX, a série de jogos de luta Guilty Gear sempre foi conhecida por suas mecânicas bem peculiares. Sua mais recente versão, Guilty Gear Strive, chega nesta sexta (11) para PS4, PS5 e PC com uma missão dupla: atrair novos jogadores, que talvez tenham se intimidado com essas nuances no passado; e preservar sua base de fãs, que gostam do jogo exatamente por causa delas.

Para isso, ele realiza um sonho recorrente dos adeptos do gênero: poder jogar online com feedback (quase) perfeito, sem atrasos - como se o adversário estivesse do nosso lado no sofá, jogando na mesma máquina, e não num outro país a vários quilômetros (e servidores) de distância.

Guilty Gear Strive - Divulgação/Arc System Works - Divulgação/Arc System Works
Axl agora pode parar o tempo com seu novo ataque especial
Imagem: Divulgação/Arc System Works

Otimizando...

As partidas online contam com rollback, que era uma das ferramentas mais pedidas pela comunidade. Mas o que seria isso, exatamente? É um sistema para construir um ambiente online em que o game consegue prever os movimentos dos jogadores e entregar a situação real com o mínimo de diferença na transmissão da informação.

Nos modelos tradicionais (delayed netcode), ambos os jogadores enviam seus dados de movimentação e aguardam o recebimento do mesmo. O rollback intercepta esse envio na metade do caminho e entrega aos jogadores uma probabilidade do próximo movimento de cada um antes que a informação real seja entregue. Assim, o atraso é mínimo.

Guilty Gear Strive - Divulgação/Arc System Works - Divulgação/Arc System Works
O Roman Cancel evita deixar o jogador exposto durante o combate
Imagem: Divulgação/Arc System Works

...e simplificando

Para os novatos, o jogo todo passou por uma remodelação, aparando arestas e deixando o combate mais "simples" (note as aspas - o jogo continua com sua personalidade única). Assim, não é preciso fazer nenhum doutorado em jogos de luta para vencer uma partida. Mas, claro, jogadores que se dedicarem com mais afinco serão melhor recompensados - como ocorre em qualquer outro jogo, afinal.

Há muitos tutoriais para ensinar as mecânicas de Strive. Tem até uma "luta ensaiada", bem mão-na-massa, para deixar o jogador mais à vontade. Além disso, o menu de Missões Especiais explica de maneira prática certos segredos da franquia, como o Roman Cancel - uma habilidade bem típica de Guilty Gear, que permite ao jogador cancelar qualquer movimento realizado, ao custo de uma barra.

Guilty Gear Strive - Divulgação/Arc System Works - Divulgação/Arc System Works
A história é contada num anime com mais de três horas de duração
Imagem: Divulgação/Arc System Works

Jogo ou anime?

Mas nem só de tática, estratégia e golpe vive uma boa franquia. A história também precisa cativar - e, nesse quesito, Guilty Gear Stive não faz questão de ser tão acessível assim.

Sua trama é uma extensão dos acontecimentos de Guilty Gear Xrd Rev2 (de 2017). Mas é tão complexa que mesmo a inclusão de um glossário (completíssimo e muito bem elaborado, com gráficos de relacionamento entre personagens) pode não sanar todas as suas dúvidas.

Por outro lado, o Story Mode coloca o jogador numa posição bem mais passiva. Você não joga: apenas assiste a um anime produzido com o mesmo motor gráfico do game, tudo em tempo real. São horas de enredo - contadas de uma vez ou com pausas para um cafezinho. O jogador decide o que for melhor para ele.

Guilty Gear Strive - Divulgação/Arc System Works - Divulgação/Arc System Works
É tudo retrô no lobby do jogo
Imagem: Divulgação/Arc System Works

Acesso antecipado de luxo

Strive chega ao público com apenas 15 personagens disponíveis - dois a menos que o jogo anterior em seu lançamento. Você já sabe onde isso vai dar: seguindo as novas regras do mercado, o jogo estreia com uma versão magrinha, a ser engordada por várias atualizações que, supõe-se, garantirão sua longevidade pelos próximos anos.

Até o fim do ano, já haverá mais cinco lutadores. Também já foram prometidos novos cenários, história extra, um modo para fotografar modelos tridimensionais e até um sistema de criação de combos, em que o jogador cria sua sequência, faz o upload e deixa os adversários tentarem replicar os movimentos.

O problema disso é a sensação de comprar um título em acesso antecipado. Jogadores mais casuais, em especial, podem se frustrar com a extrema falta de conteúdo no modo offline.

Já os veteranos podem reclamar da reformulação dos lobbies online, agora em um visual retrô e completamente 2D. Tudo funciona em um plano linear dividido em plataformas.

Guilty Gear Strive - Divulgação/Arc System Works - Divulgação/Arc System Works
A torre celestial lembra as aventuras de Hunter x Hunter
Imagem: Divulgação/Arc System Works

As partidas ranqueadas mudaram também. Ninguém mais acumula pontos a cada vitória - o sucesso do jogador é representado subindo diferentes andares de uma torre. Se ele perder muito, desce um andar, mas sobe de novo quando suas habilidades ultrapassarem a das outras pessoas naquele patamar.

O limite é o décimo andar. Porém, há um nível secreto, ao qual poucos são convidados. Nele, é preciso provar que você realmente merece estar lá - e pode ter certeza que não vai ser fácil.

Tudo isso é um estímulo para que mais e mais jogadores aproveitem a excelência do jogo em sua performance online. O netcode de Guilty Gear Strive pode até mesmo causar uma reviravolta no gênero de luta, ao abrir os olhos dos demais desenvolvedores para fazê-los investir no que realmente interessa nos dias de hoje.

*A cópia de avaliação do jogo fornecida pela Arc System Works

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: https://www.tiktok.com/@start_uol/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL