PUBLICIDADE

Topo

Cinco anos após ban por elojob, Shini exalta maturidade: 'Mal necessário'

Shini da INTZ no Mundial 2020 de LoL durante o primeiro dia da Fase de Entrada - David Lee/Riot Games
Shini da INTZ no Mundial 2020 de LoL durante o primeiro dia da Fase de Entrada Imagem: David Lee/Riot Games

Gabriel Oliverira

Colaboração para o START

26/09/2020 07h16

O pro-player Diogo "Shini" Rogê, da INTZ, disputa o seu primeiro Mundial de League of Legends (LoL) cinco anos depois de ter sido suspenso temporariamente do cenário competitivo e minimizado a punição. Ele se vê mais maduro hoje e acredita que o episódio de 2015 serviu para evolução pessoal e profissional.

"Foi realmente uma reviravolta. Naquela época eu era muito moleque e hoje eu amadureci", disse Shini ao START, em entrevista durante o Mundial de LoL de 2020, realizado em Xangai, na China, com a participação de 22 equipes internacionais.

A brasileira INTZ perdeu as três primeiras partidas da fase de entrada e só tem mais um compromisso no Grupo A da competição.

Suspensão de 1 ano

Shini INTZ final CBLoL 2020 Etapa 2 x paiN - Bruno Alvares/Riot Games Brasil - Bruno Alvares/Riot Games Brasil
Imagem: Bruno Alvares/Riot Games Brasil

Em março de 2015, Shini recebeu uma suspensão de 1 ano do cenário competitivo por ter praticado elojob - quando uma pessoa joga na conta de terceiros para elevar o nível ranqueado dela e é remunerado por isso. Os termos de uso do LoL proíbem tal prática.

Contudo, ao contrário de outros cyber-atletas também banidos na época, Shini não falava em dar a volta por cima e retornar às competições. Em entrevista ao site MyCNB, o pro-player declarou que iria deixar os eSports.

INTZ com Shini ao centro final CBLoL 2020 Etapa 2 x paiN - Bruno Alvares/Riot Games Brasil - Bruno Alvares/Riot Games Brasil
Imagem: Bruno Alvares/Riot Games Brasil

"Não gosto mais de jogar League of Legends, nem de vez em quando. Para não desperdiçar as horas que eu investi neste jogo, fiz elojob", disse, na ocasião, também minimizando a punição. "O ban não mudou nada para mim".

Ele complementou, em um comunicado, que continuaria fazendo elojob. "Eu faço elojob simplesmente porque não gosto de ter que ficar treinando e ter um compromisso maior com outras quatro ou cinco pessoas", escreveu o jogador, na época.

Nova trajetória

INTZ Mundial LoL 2020 fase de entrada dia 1 - David Lee/Riot Games - David Lee/Riot Games
Imagem: David Lee/Riot Games

Considerado como jovem talento na época, Shini não abandonou o LoL, conforme anunciou na polêmica entrevista. Em março de 2016, logo após ser liberado para voltar a competir, o cyber-atleta entrou para a Team Genesis.

Shini INTZ Mundial LoL 2020 fase de entrada - David Lee/Riot Games - David Lee/Riot Games
Imagem: David Lee/Riot Games

O novo time de Shini se destacou ao ser vice-campeão da 2ª Etapa de 2016 do Circuito Desafiante, o torneio da 2ª divisão do LoL brasileiro, e acabou contratado pela INTZ, transformando-se em INTZ Genesis.

Na equipe B da INTZ, Shini teve novo vice na 1ª Etapa de 2017 do Circuito Desafiante e conquistou o acesso para o Campeonato Brasileiro (CBLoL) por meio da Série de Promoção.

Como o regulamento não permite que uma organização tenha dois times em uma mesma competição, a INTZ vendeu a vaga e o elenco para a Team One, com uma exceção: Shini continuou no clube.

No auge da carreira

INTZ Shini à frente Mundial LoL 2020 fase de entrada dia 1 David Lee Riot Games - David Lee/Riot Games - David Lee/Riot Games
Imagem: David Lee/Riot Games

Há três anos e meio na INTZ, o cyber-atleta chega ao ponto mais alto da sua carreira, disputando o Mundial de LoL, o maior campeonato da modalidade.

Ele já havia participado do Mid-Season Invitational (MSI), torneio internacional de meio de temporada, no ano passado, mas o Mundial é o auge da carreira de qualquer cyber-atleta de LoL.

Shini INTZ de costas final CBLoL 2020 Etapa 2 x paiN - Bruno Alvares/Riot Games Brasil - Bruno Alvares/Riot Games Brasil
Imagem: Bruno Alvares/Riot Games Brasil

"É uma sensação sempre positiva. Não começamos do jeito que nós queríamos, isso chateia um pouco. Mas estou contente de estar aqui, é uma experiência boa", disse Shini, na entrevista ao START, realizada ontem (25), após as duas primeiras derrotas na competição, para a europeia MAD Lions e para a australiana Legacy Esports.

Hoje (26), a INTZ também perdeu para a turca Papara SuperMassive. O último compromisso será contra a norte-americana Team Liquid, na segunda-feira (28), às 7 horas (horário de Brasília).

Vergonha e aprendizados

Mundial LoL 2020 Legacy Esports cumprimenta INTZ - David Lee/Riot Games - David Lee/Riot Games
Imagem: David Lee/Riot Games

Questionado sobre a trajetória desses cinco anos que se passaram desde a suspensão e das declarações polêmicas que deu sobre a punição, Shini destaca estar mais madura e assegura que tomou a decisão correta de continuar competindo.

Eu aprendi bastante coisa e percebi que estar aqui era o que eu queria para a minha vida. Eu acho que tomei a decisão certa e estou contente de onde eu cheguei

Ele complementa que não tem vergonha da sua suspensão. "Foi necessário eu tomar o ban. Eu não tenho vergonha do meu passado, pois isso fez quem eu sou hoje. Pode soar meio clichê, mas foi uma mal necessário para eu ter uma evolução como pessoa e profissional".

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: http://vm.tiktok.com/Rqwe2g/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol