PUBLICIDADE

Topo

Crucible: aposta da Amazon Games tenta garantir seu lugar ao sol

Giuseppe Carrino

Do GameHall

19/05/2020 10h00

A Amazon decidiu entrar com tudo no mercado de games: a empresa do ricaço Jeff Bezos é dona da Twitch desde 2014 e prepara dois games de peso para 2020. O primeiro deles é Crucible, desenvolvido pela Relentless Studios, que chega amanhã para PC.

Crucible é um jogo gratuito, com opção de compras de itens cosméticos —nada que afete o desempenho nas partidas. Ele já chega com a difícil tarefa de brigar com alguns gigantes no mercado de shooters e games multiplayer: de Fortnite a Call of Duty: Warzone, passando por Apex Legends, Valorant e Bleeding Edge. Daí temos a grande questão: O que Crucible traz de inovador para chamar a atenção dos jogadores?

"A competição é violenta, " diz o diretor criativo Eric Flannum ao START. "O que tentamos fazer é criar algo que pegue vários elementos familiares e ao mesmo tempo passe a sensação de algo singular como base. O tipo de núcleo de repetição que o jogo possui —caçar, evoluir, adaptar— é um pouco diferente de qualquer coisa disponível atualmente.

De fato, no mercado de "games como serviço" não basta atrair os jogadores, é necessário cultivar uma comunidade, transformar a jogatina em um hábito que seja relevante para o jogador diante de tantas ofertas no mercado.

Segundo Flannum, um dos principais compromissos da empresa é manter um suporte dedicado ao game e à comunidade. "Uma das vantagens que temos com a nossa publisher (Amazon) é que conseguimos manter toda a nossa equipe trabalhando e realmente dando suporte imediato ao jogo e respondendo às coisas que nossos clientes realmente querem, " concluiu.

Crucible 1 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Caça e caçador ao mesmo tempo

Tivemos a oportunidade de jogar Crucible em sua versão alpha por algumas horas com os desenvolvedores e outros jornalistas, tudo remotamente, claro, devido à necessidade de isolamento social. O jogo possui três modalidades: Controle de Colheitadeiras, Coração das Colônias e o mais interessante de todos, Caçadores Alfa. Todos os modos, no entanto, possuem algo em comum, que é colocar os jogadores uns contra os outros.

Modo 1: Controle de Colheitadeiras

Em Controle de Colheitadeiras, há duas equipes com oito jogadores cada que precisam lutar pelo controle de cinco locais no mapa, os quais fornecem pontos. A equipe que obtiver a pontuação máxima primeiro vence. Nesse aspecto, lembra um pouco o modo Conquista, presente na série Battlefield. O conceito é o mesmo, mas a maneira de jogar é bem diferente.

Em Crucible você precisa aumentar a experiência do personagem ao longo da partida por meio de Essências, que são derrubadas de monstros controlados pela inteligência artificial e que estão espalhados pelo mapa. É um aspecto fundamental da jogabilidade, pois ao fazer isso você sobe de nível e fica mais forte, ganhando inclusive acesso a novas habilidades. Portanto, na hora de encarar os adversários, não é apenas a sua destreza no mouse e teclado que conta, mas também o nível do seu personagem. Ah, e você consegue detectar os monstros que estão mais próximos por meio de uma espécie de visor termal que permite enxergá-los mesmo através das paredes e objetos.

Crucible 2 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Modo 2: Coração das Colônias

O segundo modo, Coração das Colônias, coloca em combate duas equipes com quatro jogadores cada. Eles precisam aumentar de nível até o surgimento de uma Colmeia, que nada mais é do que um monstro que gera outros monstros. Quando a colmeia é morta, surge um coração que precisa ser capturado. A equipe que conseguir pegá-lo três vezes ganha a partida. A minha experiência aqui foi muito mais interessante e frenética do que no modo anterior, pois requer bastante estratégia por parte de cada equipe. Faz muita diferença combinar as habilidades dos personagens para, por exemplo, dar cobertura ao aliado que foca em obter o coração. Seu time precisa estar em maioria também, caso contrário, nada feito.

Modo 3: Caçadores Alfa

O terceiro e último modo, o mais curioso de todos, Caçadores Alfa, coloca oito duplas para se enfrentarem no mapa. À medida que o tempo vai passando, o mapa diminui gradativamente de tamanho, igual acontece nos jogos do gênero battle royale, e é aí que as coisas ficam interessantes. Se durante o combate com outros jogadores você perder seu parceiro, tem a possibilidade de se aliar com outro jogador que também está sozinho, bastando mirar nele e escolher a opção. Se ele aceitar, vocês viram aliados, mas é preciso ter cuidado, pois essa aliança pode ser desfeita a qualquer momento, tanto por ele, quanto por você. Então, o jogador que até então era seu amigo, pode te trair se achar que isso vale a pena para sua sobrevivência.

Se durante o combate com outros jogadores você perder seu parceiro, tem a possibilidade de se aliar com outro jogador que também está sozinho, bastando mirar nele e escolher a opção

Crucible 3 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Ao final da partida, quando apenas três jogadores restam, as alianças são todas desfeitas automaticamente, e é cada um por si. Entretanto, se você ainda estiver junto do parceiro com o qual começou a partida, continuará aliado a ele, permitindo que ambos façam picadinho do terceiro jogador.

Todos esses recursos da jogabilidade presentes em Caçadores Alfa fazem dele, na minha opinião, o modo mais legal de Crucible e aquele que mais chamará a atenção dos jogadores quando o game estiver disponível amanhã.

Um caçador para chamar de seu

No lançamento, Crucible terá dez caçadores (ou personagens) disponíveis, sendo este um "bom número", de acordo com a Relentless Studios. Cada um deles é voltado para um tipo específico de jogador, desde aquele que prefere oferecer mais suporte aos companheiros ou mais danos aos inimigos.

Durante o alpha, pude testar dois deles. Mendonza é um humano equipado com um tipo de rifle de assalto futurista, capaz de correr muito rápido. Ele ainda pode evocar um local que serve de cobertura para os aliados, e que ao mesmo tempo fornece um kit médico para que se curem.

Crucible 4 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

O outro personagem, totalmente diferente, chamado Drakahl, é um alienígena brutamontes. Em vez de utilizar uma arma de fogo, faz uso de um machado enorme. Embora ele seja lento, consegue executar pequenas arrancadas para se aproximar dos alvos, graças a pequenos foguetes em suas costas, e dar cabo rapidamente de qualquer um que esteja próximo, devido a habilidades de curto alcance extremamente poderosas.

Quanto aos demais caçadores, só vi em ação nas mãos dos outros jogadores. Earl é um alienígena gigante que possui uma metralhadora giratória que também serve como foguete; Ajonah é outra forma de vida interplanetária que usa a longa distância como sua aliada, abatendo os adversários com seu rifle sniper.

O objetivo da Relentless Games é, no futuro, aprofundar a relação dos jogadores com cada um desses personagens, similar ao que ocorre em Overwatch, por exemplo. Há biografias dentro do jogo e o estúdio quer ir além, mas mantendo o foco na diversão e na experiência dos jogadores.

Crucible 5 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

"Isto é um desafio e tanto para nós, como designers de narrativa, " diz Samantha Vick, uma das responsáveis por isso em Crucible. "Como podemos criar uma história satisfatória, e não apenas satisfatória, mas colocar coisas ali que façam o jogador querer saber mais? Como colocar esse tipo de coisa meio que neste espaço ao redor desta experiência de jogabilidade realmente divertida?". Segundo Vick, conforme você vai evoluindo o personagem, destrava monólogos em que ele conta um pouco de sua própria história.

Ela também informou que há momentos de conversa entre os caçadores quando os combates não estão ocorrendo, assim como "narrativas ambiente" que os jogadores precisam descobrir para saber mais a respeito da história do universo de Crucible. Samantha concluiu dizendo ser "um sonho" caso consigam fazer curtas de animação a respeito de cada caçador, tal qual aqueles vistos em outros jogos similares.

Crucible 6 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Vale dar uma chance?

Crucible é grátis, será lançado com textos e interface em português brasileiro e tem tudo para ser um sucesso caso a Amazon faça corretamente a lição de casa nas ações de marketing e a Relentless Studio forneça o suporte e conteúdo adicional a longo prazo que os jogadores esperam.

No que diz respeito ao desempenho, é um jogo que não exige muito do computador, mas que consegue entregar visuais adequados. Se teu PC aguenta Fortnite ou Overwatch sem gargalos, não terá dificuldade para rodar Crucible.

Crucible 7 - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Dito tudo isso, Crucible com certeza merece uma chance, se você estiver buscando por um shooter com algo diferente e que ao mesmo tempo não muda demais aquela velha fórmula tradicional de sucesso encontrada em outros jogos similares e que continuam firmes até hoje.

Se os responsáveis pelo game ouvirem atentamente o feedback da comunidade de jogadores ao longo das próximas semanas e meses, a respeito do que gostariam de ver a mais no jogo ou melhorado, e combaterem sem piedade os trapaceiros, é possível sim que o game tenha vida longa, pois há ideias muito interessantes em sua jogabilidade.

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: http://vm.tiktok.com/Rqwe2g/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol