PUBLICIDADE

Topo

Jogamos Streets of Rage 4: o que fãs das antigas podem esperar do novo jogo

Streets of Rage 4 deve ser tudo o que os fãs querem  - Divulgação
Streets of Rage 4 deve ser tudo o que os fãs querem Imagem: Divulgação

Makson Lima e Jeff Kayo

Colaboração para o START

11/03/2020 04h00

Streets of Rage 4 está no radar de todos que gastaram horas com as versões clássicas de Mega Drive. Enquanto já havia certeza da qualidade gráfica por conta de trailers, as dúvidas estavam mesmo no gameplay em si, no soco na cara, na maçã no lixo.

O START teve a oportunidade de experimentar três fases em cooperativo local para três jogadores, com todos os cinco personagens disponíveis - Axel, Blaze, Adam, Cherry e Floyd. Contamos aqui o que esses fãs podem esperar no novo game.

Porradaria sem firulas

Árvore de habilidade? Equipamento? XP? Nada disso. Streets of Rage 4 joga seguro, no básico de seus próprios fundamentos. Aprender a jogar com determinado boneco significa empenho, treino e dedicação, e não "build" ou algo que o valha.

A roleta russa das ruas agora é a difamada "barra verde": executar golpes especiais, com um botão específico para isso, suga a vida do personagem, mas há um porém, pois é possível recuperar a energia dispensada, a tal da barra verde.

Socar é o caminho, evidentemente, mas o contrário se faz ainda mais perigoso, já que um "relo" de Signal, Donovan, Big Ben e cia, leva a possibilidade para vala. O que passa a existir é uma dinâmica de risco e recompensa, ainda mais quando em cooperativo, pois a dificuldade aumenta com a quantidade de heróis na tela.

Controles certeiros

Espere a mesma porradaria que fez o jogo ser tão adorado nos anos 1990 - Divulgação
Espere a mesma porradaria que fez o jogo ser tão adorado nos anos 1990
Imagem: Divulgação

Streets of Rage 4 tem suas próprias regras, com peso, física e cadência. Andar e bater, ao mesmo tempo que nostálgico, aparece de uma forma completamente inédita na franquia.

Todos os ataques são sentidos pelo jogador, sejam os que você acerta, como também os que leva na cara. As sequências de ataques com um único botão alcançam entre cinco e sete hits. Tudo pode ser cancelado durante um combo, para que o jogador decida sozinho a melhor forma de finalizar seu combo.

Nada é engessado e o foco na criatividade e expressão pessoal de cada um nunca pareceu mais nítida.

Mudanças nos golpes especiais

Os ataques especiais passaram por mudanças fundamentais. É possível utilizá-los de três maneiras distintas: neutro no chão, para frente e botão e no ar e botão.

Ataques especiais contam com algumas novidades - Divulgação
Ataques especiais contam com algumas novidades
Imagem: Divulgação

Como antigamente, eles também gastam sua barra de energia cada vez que são usados, mas agora essa vida pode ser recuperada. Em SoR4, quando utilizamos um golpe especial, sua vida diminui, mas uma sombra verde ocupa seu lugar.

É possível preencher novamente a quantidade gasta de energia batendo em inimigos, mas uma vez acertado por um adversário, é adeus para aquela energia utilizada.

Cada personagem tem seus ataques especiais e, na maioria das vezes, servem como finalizadores de combos ou para evitar alguma situação de risco, mesmo eles não sendo completamente invencíveis.

No entanto, um quarto ataque especial está disponível para o jogador, mas este é limitado a um único uso por fase (uma segunda ou terceira vez apenas se encontrar a munição específica na tela), seguindo a linha do policial com a bazuca dos jogos anteriores, que limpa a tela de todos os inimigos.

Combos mais divertidos

Criar combos em SoR4 é super divertido. Com seu olhar moderno e preocupado, a Guard Crush Games atualizou o sistema de combos por completo, retirando completamente o acaso da equação.

Personagens tem golpes especiais e combos - Divulgação
Personagens tem golpes especiais e combos
Imagem: Divulgação

Além da sequência básica de ataques com o botão de soco, o jogador brinca com o "juggle" dos personagens como bem entender. A liberdade de quicar os adversários no chão, nas paredes ou mesmo no ar liberta o jogador de qualquer amarra que não seja sua própria habilidade. É só jogar bastante que aprende.

Personagens que se completam

Modo cooperativo poderá ser jogado online ou offline - Divulgação
Modo cooperativo poderá ser jogado online ou offline
Imagem: Divulgação

Há uma sinergia entre os cinco personagens do game. Cada um munido de habilidades únicas e um estilo próprio, é preciso aprender a jogar de forma diferente com cada um deles.

Enquanto Axel funciona mais como um personagem de entrada, bastante parecido com sua versão clássica, Adam ganhou um dash que o faz escapar dos ataques inimigos, desde que executado com precisão cirúrgica.

Blaze e Cherry são capazes de malabarismos aéreos únicos que demandam bastante treino, enquanto Floyd, o peso pesado do grupo, pode ser lento enquanto anda, mas consegue atravessar a tela em segundos com seus pulos, enquanto sua habilidade especial funciona em muitos níveis, de agarrões a ataques de área.

Apesar de fortes e completamente independentes, os personagens de SoR4 funcionam muito melhor no modo multiplayer. Axel é perfeito para mandar um oponente para o ar com seu gancho de fogo enquanto Adam com sua voadora dupla consegue mantê-lo ali por mais tempo.

Blaze é capaz de criar um novo ciclo no mesmo combo fazendo o adversário quicar no chão enquanto o pisão de Cherry, apesar de causar pouco dano, estabiliza o tempo do combo e gera mais hits. Floyd é o finalizador, já que seus ataques causam danos massivos e alguns criam até mesmo uma situação em que os inimigos quicam nas paredes do cenário.

Dificuldade cresce com a progressão

Game terá novos rostos e velhos conhecidos - Divulgação
Game terá novos rostos e velhos conhecidos
Imagem: Divulgação

Não pense que Streets of Rage 4 será aquela molezinha de sempre. Nas fases apresentadas durante os testes, a dificuldade escalonava de acordo com o nível. Jogamos a primeira, a terceira e a sexta fase do jogo, e obviamente o desafio maior se apresentava na última.

Não há níveis para subir, habilidades para destravar. Tudo que podemos fazer dentro do jogo nos é apresentado desde o primeiro minuto do game. A experiência do jogador é posta à prova na última fase, e foram preciso duas tentativas para que todos os jogadores presentes no testes encarassem juntos o chefe de fase.

Chefes com desafio honesto

Ao todo enfrentamos três chefes. A inédita Diva com seus poderes elétricos, em seguida Nora, que apareceu pela primeira vez no primeiro Streets of Rage, e por fim, Shiva (SoR2 e SoR3), num visual incrível e dificuldade avassaladora, finalizando a experiência com chave de ouro.

Os chefes demandam paciência e coordenação, recompensando esse tipo de jogador. E apesar de difícil, o desafio é honesto.

Trilha Sonora no tom certo

Streets of Rage 4 parece tocar todas as notas certas, por vezes, literalmente - a trilha sonora é nada além de espetacular. A Dotemu não deixaria o nível cair nesse quesito tão importante quanto o assunto é Streets of Rage.

Enquanto a da primeira fase serve como resgate instantâneo a tudo aquilo que fez dessa, uma franquia especial (certeza que é composição de Yuzo Koshiro), outras vezes, como no embate contra o saudoso e ardiloso artista marcial Shiva, a coisa toda se revitaliza de forma inacreditável.

Streets of Rage 4

É perceptível, assim como aconteceu em Wonder Boy: The Dragon's Trap, o amor pelo objeto de análise por parte de seus desenvolvedores. Dessa vez, um (enorme) passo foi dado aos sair dos domínios do remake para adentrar o amedrontador lado das sequências aguardadas por todos, há anos.

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: http://vm.tiktok.com/Rqwe2g/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol