PUBLICIDADE

Topo

24 anos de Pokémon: a revolução dos games portáteis

Cosplay de Pikachu em Tóquio, Japão - Mustang_79/Getty Images
Cosplay de Pikachu em Tóquio, Japão
Imagem: Mustang_79/Getty Images

Por André "AvcF" Franco

Do GameHall

28/02/2020 11h00

Em 1996, o mundo dos videogames vivia uma intensa transformação. Jogos tridimensionais e com gráficos poligonais estavam a todo vapor, fosse nos computadores ou nos consoles. Nos PCs, jogos de tiro como Doom e Duke Nukem ditavam a moda, ao mesmo tempo que a ferramenta Direct X trazia novos e sofisticados recursos aos jogos. Do lado dos consoles, a briga da sexta geração engatava a quinta marcha com o lançamento do Nintendo 64 e seu icônico Super Mario 64. Ainda assim, era o PlayStation quem mandava no reino dos consoles, graças a uma variada linha de jogos, que aproveitava os recursos do CD, como filmes pré-renderizados e som de alta qualidade.

Foi nesse cenário efervescente e de intensa transformação tecnológica que um pequeno jogo do já veterano Game Boy chegou para arrebatar o mundo: Pokémon. Então para comemorar o aniversário de lançamento desse clássico dos vídeo games, seguem algumas curiosidades históricas da franquia.

Monstros em cápsulas

Reprodução
Imagem: Reprodução

Embora tenha sido lançado em 1996, Pokémon tem uma história que começa seis anos antes, em 1990, quando Satoshi Tajiri e Ken Sugimori fundaram a companhia de jogos Game Freak e apresentaram o projeto "Capsule Monsters" à Nintendo. Fã de Ultraseven, que em determinados momentos se valia de monstros encapsulados para enfrentar os monstros do mal, Tajiri quis transformar esse conceito em um RPG, gênero de jogo popular entre os jogadores japoneses e bastante presente entre os primeiros jogos lançados para o Game Boy.

Os monstros em cápsulas de Ultraseven. - Reprodução
Os monstros em cápsulas de Ultraseven.
Imagem: Reprodução

De olho na capacidade do Game Boy em se conectar a outro console via cabo, Tajiri imaginou um RPG em que o jogador poderia capturar monstros em cápsulas e trocar com outro jogador. Mas diferente das batalhas da versão final, na ideia inicial o jogador teria de conquistar esses monstros através de seu "carisma", ou seja, de alguma forma teria que convencê-los a virar para seu lado. Outra inspiração para o conceito dos monstrinhos veio dos Gachapons, máquinas que disponibilizam brinquedos em cápsulas, muito populares no Japão.

Gachapons - Reprodução
Gachapons
Imagem: Reprodução

De fato, o projeto inicial era bastante diferente do que o jogo final viria a ser. O longo período de 6 anos de desenvolvimento foi o responsável pela transformação e maturação do projeto. A primeira diferença fica justamente pelo nome, pois Pokémon, a contração de Pocket Monsters, surgiu depois que Tajiri percebeu que não poderia registrar o nome Capsule Monsters. Então, o nome foi modificado para "Capúmon", e posteriormente, Pokémon. A ideia de ter duas versões distintas também surgiu bem depois, e foi adotada graças a um conselho de Shigeru Miyamoto, o pai do Mario, que acreditava que seria mais divertido se cada jogador tivesse algo único.

Os desenhos das criaturas também sofreram grandes transformações ao longo do desenvolvimento, saindo do estilo "kaiju" (aqueles monstros gigantes que vemos em filmes e seriados como Godzilla, Ultraman, Jaspion e outros) e pouco a pouco adotando alguns traços mais naturais. A versão inicial do projeto previa mais de 200 monstros à disposição do jogador, mas terminou com os 150 que conhecemos nas versões finais de Pokémon Red e Pokémon Green (que virou Blue no lançamento ocidental).

Mew, o Pokémon 151

Divulgação
Imagem: Divulgação

Embora as versões finais de Pokémon Red e Green contem oficialmente com 150 criaturas cada, o fato é que ambos os jogos têm uma criatura extra escondida, o Pokémon lendário Mew. Shigeki Morimoto, game designer e programador da Game Freak, falou sobre a inserção do lendário Pokémon em um "Iwata Asks" (uma série de entrevistas conduzidas pelo falecido presidente da Nintendo, Satoru Iwata):

Nós colocamos Mew bem no final. O cartucho estava bem cheio e não havia espaço para muito mais. Então, os recursos de debug que não seriam inclusos na versão final foram removidos, criando um minúsculo espaço de 300 bytes. Aí pensamos que podíamos encaixar Mew ali. O que nós fizemos seria impensável atualmente!

Ainda de acordo com Morimoto, Mew era apenas para ser uma brincadeira interna que nunca seria revelada ao público. Mas por um acaso do destino, alguns jogadores acidentalmente descobriram Mew, e então a Game Freak se viu obrigada a realizar um concurso chamado "Legendary Pokémon Offer", em que vinte leitores da revista CoroCoro seriam sorteados e poderiam enviar seus cartuchos para que a Game Freak habilitasse Mew em seus jogos. O sucesso do concurso foi tal que a CoroCoro recebeu 78.000 inscrições.

Rhydon, o número 1

Reprodução
Imagem: Reprodução

Embora oficialmente Bulbassaur seja o Pokémon listado como o número um da Pokédex, quem realmente deveria carregar esse título é Rhydon, uma vez que ele foi a primeira criatura desenhada por Ken Sugimori, ilustrador oficial da franquia desde seu princípio. Uma pequena homenagem a Rhydon pode ser notada por seu desenho estar presente em todas as estátuas que aparecem no jogo.

Pikachu, por sua vez, era apenas mais um dos Pokémon presentes no jogo, e só se tornou uma estrela posteriormente. O ratinho amarelo virou o mascote durante a pré-produção do anime, devido a sua popularidade em grupos de testes (sobretudo com as meninas). Além disso, produtores do desenho acreditavam que sua cor amarela o tornaria mais reconhecível pelas crianças. Uma prova de que a popularidade de Pikachu não foi imaginada no lançamento do jogo é o fato de que o primeiro mangá sobre Pokémon, publicado cinco meses antes da estreia do desenho, tinha Clefairy como a mascote do treinador.

Treinador Carvalho

Em algum momento da produção de Red e Green, Professor Carvalho foi considerado para ser ser o último chefe, estrelando a última batalha do jogo, logo após o jogador bater a Elite 4 e vencer a batalha contra Blue (o treinador rival do jogo). Recentemente, hackers descobriram que o código de programação desse evento ficou na versão final de Red e Green, e pode ser acessado via Game Shark ou explorando bugs do jogo. O time do Professor Carvalho era composto por Tauros, Exeggutor, Arcanine, Gyarados e o e a evolução final do Pokémon inicial que sobrou após o jogador e seu rival terem escolhido os seus respectivos (por exemplo: se o jogador escolher Charmander e o rival escolher Squirtle, o Pokémon do professor será Venusaur). Não se sabe qual o motivo de essa batalha ter sido removida, mas enfrentar o Professor Carvalho no final do jogo seria um evento e tanto.

O mistério de Missingno

Reprodução
Imagem: Reprodução

A crescente popularidade dos jogos Pokémon levou à criação de vários rumores e lendas. Embora a maioria delas seja história de pescador com uma boa dose de imaginação, uma delas tem um fundo de verdade: o misterioso "Missingno". Provável Pokémon cortado da versão final, "Missigno" é a contração de "missing number", que no caso seria o número de entrada que cada Pokémon tem na programação do jogo. Simplificando, o jogador encontra esse "Pokémon" após explorar um bug envolvendo um NPC em Veridian City, sendo possível inclusive capturar a criatura-erro. Com uma forma de "L"invertido, todo cheio de erros, Missingno é, por algum motivo, do tipo Voador/Normal, geralmente tendo Sky Attack e Water Gun como golpes. Curiosamente, encontrar Missingno faz com que o terceiro item da lista de itens do jogador seja multiplicado.

Twitch plays Pokémon

Em 2014, um usuário anônimo criou um canal na plataforma de vídeos Twitch chamado "Twitch plays Pokémon". Mas diferentemente de outros canais que costumam transmitir partidas e vídeos de jogos, o Twitch Plays Pokémon permitia aos espectadores "jogar" Pokémon Red inserindo comandos de jogo na caixa de comentários do canal. Como cada jogador inseria um comando que nada tinha a ver com o anterior, as partidas se tornavam caóticas e imprevisíveis. Ainda assim, os fãs do canal conseguiram levar o treinador Red até o fim do jogo, em uma campanha épica e muito doida, que gerou uma série de piadas e memes, como o "Bird Jesus" e o "Helix Fossil". O sucesso das transmissões de Pokémon Red foi enorme, gerando campanhas com a mesma mecânica em jogos posteriores de Pokémon. O canal Twitch plays Pokémon permanece ativo no Twitch e ainda tem muitos fãs, com transmissões com milhares de visualizações.

Still catching all

A franquia Pokémon segue sua saga de sucesso, com os recentes Pokémon Sword e Pokémon Shield, lançados para Nintendo Switch em 2019. Além dos jogos, Pokémon é uma franquia que conta com uma comunidade sempre muito ativa, seja nos torneios e batalhas, seja nas trocas de experiências e criaturas. Se hoje a Pokémon Company é uma empresa gigante que gerencia produtos e criações de milhões, tudo começou com uma ideia de dois desenvolvedores iniciantes que tinham acabado de fundar uma empresa destinada a produzir jogos para Game Boy. 24 anos depois, a aventura deles foi muito mais longe do que qualquer um poderia prever.

Divulgação
Imagem: Divulgação

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: http://vm.tiktok.com/Rqwe2g/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol