PUBLICIDADE

Topo

GGWP

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Restringir o chat em LoL será efetivo para combater a toxicidade?

League of Legends desabilita chat geral - Divulgação/Riot Games
League of Legends desabilita chat geral Imagem: Divulgação/Riot Games
Conteúdo exclusivo para assinantes
Leo Bianchi

Leo Bianchi é jornalista, já foi repórter e apresentador do Globo Esporte. É apaixonado por competição e já cobriu Copa do Mundo, Fórmula 1, UFC e mundiais de CS:GO, R6, FIFA, Just Dance e Free Fire. Também é youtuber e pro-player frustrado. No GGWP você encontra análise dos cenários competitivos no Brasil e no mundo, além dos bastidores do universo envolvendo times, jogadores e novidades em geral.

Colunista do UOL

13/10/2021 17h30

A Riot Games anunciou, nessa semana, que desativará o chat "/all" em League of Legends. Ou seja, não será possível enviar mensagens para seus adversários durante as partidas.

O comunicado até cita problemas como ociosidade ou feeding intencional, mas não esconde: o objetivo dessa mudança tão significativa é conter o abuso verbal entre os usuários. Aparentemente, a toxicidade tem sido tão grande que mesmo a ferramenta para mutar qualquer jogador presente no lobby, aliado ou rival, não parece mais efetiva.

Combater a ira de quem não controla o próprio emocional durante partidas online é um desafio dos mais complicados. E essa decisão da publisher parece entregar os pontos: talvez acreditar em iniciativas educativas ou na mera evolução individual dos jogadores seja uma perda de tempo. Será?

"Embora o bate-papo /all possa ser uma fonte de interação social divertida entre as equipes, bem como algumas brincadeiras de bom coração, agora as interações negativas superam as positivas", diz o texto assinado por Andrei Van Roon, diretor do jogo, e Jeremy Lee, líder de produção de gameplay.

"Avaliaremos o impacto dessa mudança por meio de relatórios de abuso verbal e taxas de penalidade, bem como pesquisas e feedback direto de todos vocês", continua. .

A realidade é que, independentemente do que se faça para combater a toxicidade, ela continuará existindo. E essa discussão se torna ainda mais ampla quando há comunicação por voz (como no VALORANT, que também é da Riot).

Mas toda publisher precisa, sim, se preocupar em proporcionar uma experiência agradável para qualquer um que se proponha a jogar.

As punições para quem é tóxico precisam ser rigorosas. E as publishers também precisam estimular seus maiores expoentes, como streamers e pro players, a servirem de exemplo de boa conduta.

É necessário valorizar o que há de positivo e recompensar quem se porta da maneira adequada. Sim, nada deveria ser além da obrigação de um jogador ao entrar em um servidor, mas sabemos que a realidade está bem longe de ser simples dessa forma.

Competição desperta paixões, e perder sempre será uma experiência frustrante, mas é preciso zelar pelo espírito esportivo como princípio de legitimidade. Como argumentar perante o "grande público" que os eSports merecem respeito e atenção se o ambiente não for adequado e convidativo?

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: https://www.tiktok.com/@start_uol?
Twitch: https://www.twitch.tv/startuol

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL