PUBLICIDADE

Topo

GGWP

Academy CBLoL: como a nova "Série B" pode estimular a revelação de talentos

Troféu do CBLoL 2020 - Bruno Alvares/Riot Games
Troféu do CBLoL 2020 Imagem: Bruno Alvares/Riot Games
Leo Bianchi

Leo Bianchi é jornalista, já foi repórter e apresentador do Globo Esporte. É apaixonado por competição e já cobriu Copa do Mundo, Fórmula 1, UFC e mundiais de CS:GO, R6, FIFA, Just Dance e Free Fire. Também é youtuber e pro-player frustrado. No GGWP você encontra análise dos cenários competitivos no Brasil e no mundo, além dos bastidores do universo envolvendo times, jogadores e novidades em geral.

Colunista do UOL

10/11/2020 09h00

Um dos períodos mais aguardados pela comunidade de qualquer esporte eletrônico é o da janela de transferências. Aquelas semanas em que os torcedores ficam ansiosos para saber quem continua, quem sai e quem pode ser novidade na própria equipe. Reformulado para um sistema de parcerias a longo prazo, o CBLoL iniciou esse processo na última segunda-feira. Com 10 times na disputa, diversos fatores devem colaborar para que essa faixa de negociações no calendário seja uma das mais intensas de todos os tempos.

Com o surgimento da liga Academy, que ocupará o espaço do antigo Circuito Desafiante, equivalente à segunda divisão do cenário competitivo nacional, o Campeonato Brasileiro de League of Legends passou a exigir a inscrição de, no mínimo, 12 atletas - o máximo é de 15. Os jogadores poderão transitar entre as duas equipes, o que ativa um interessante mecanismo para o desenvolvimento de novos talentos e sua experimentação na elite de maneira mais palpável.

O LoL é um caso muito particular no Brasil pelo tamanho de sua popularidade e pelo alto número de jogadores que já se tornaram pro players ou têm nível para isso. Ainda assim, só depois de oito anos de CBLoL, a Riot resolveu implantar o sistema Academy e essa interação com o que se considera a "primeira divisão" sob o formato das franquias provavelmente seria inviável em qualquer outro game de elite que tentasse montar um campeonato sob os mesmos moldes a nível nacional.

Com números consolidados e uma audiência fidelizada, que deve se ampliar ainda mais em 2021 com a expectativa gerada em torno do renovado campeonato e com a chegada da LOUD, dona de uma impressionante base de fãs, o CBLoL mira o próprio futuro no que diz respeito ao âmbito internacional. Ter um torneio forte e que gere engajamento não é mais preocupação, mas ir além no que diz respeito à competitividade além das fronteiras, sim.

Qualquer pessoa que acompanhe minimamente esportes eletrônicos sabe que o Brasil é um território estratégico para qualquer game. A intensidade da torcida, se bem trabalhada, é um diferencial perante qualquer outro campeonato ou cenário. O CBLoL já lotou arenas em diversas cidades brasileiras, mas segue mirando a própria evolução e a formação de uma base renovada de jogadores - o que mostra visão a longo prazo e entendimento de mercado.

INTZ, paiN Gaming, KaBuM, Falkol Prodigy, FURIA, Flamengo, RED Canids, Rensga, LOUD e Cruzeiro terão nas mãos não somente uma oportunidade de tornar ainda maior o que já é grande, mas, dentro de suas peculiaridades, provar que o League of Legends brasileiro consegue ir além. O trabalho será a longo prazo, mas o fato de contarem com a certeza de que não serão rebaixadas e poderão projetar os próximos splits certamente fará com que todas se unam em torno de uma liga intensa e atrativa.

Topo do prédio em SP na final do CBLoL - Bruno Alvares/Riot Games - Bruno Alvares/Riot Games
Final do principal campeonato de eSports do país foi no topo de um prédio em São Paulo
Imagem: Bruno Alvares/Riot Games

A Riot Games já deixou claro publicamente que seu plano de estratégia para 2021 inclui estimular de diversas formas que as organizações melhorem o desempenho internacional do país em torneios como o Mid-Season Invitational e o Worlds. O caminho é longo, mas, pelo que se desenha até aqui, parece certo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.