Topo

Reviews


Halo: The Master Chief Collection

Pablo Raphael

Do UOL, em São Paulo

13/11/2014 14h10

A coletânea "The Master Chief Collection" tinha tudo para ser uma grande oferta da Microsoft para os proprietários do Xbox One: quatro jogos pelo preço de um, centenas de conquistas, uma excelente aventura de ficção científica reunida pela primeira vez em um só console. De fato, só a remasterização de "Halo 2" teria sido o suficiente para alçar essa coleção a um patamar de item obrigatório para os fãs da série.

É uma pena que a "Master Chief Collection" tenha chegado com o modo multiplayer, elemento mais festejado pelos jogadores da série e responsável por sua fama e longevidade, completamente quebrado e, de forma geral, inacessível.

A produtora 343 Industries trabalha em corrigir os problemas que afligem o jogo (não só, mas principalmente, em sua parte multijogador) mas até que isso seja feito, é difícil recomendar o game exceto para os fãs mais ferrenhos, dispostos a jogar a excelente saga do Master Chief contra o Covenant e depois aguardar para um dia, quem sabe, voltarem de fato para as arenas online da série.

Introdução

Lançada no aniversário de 10 anos de "Halo 2", "The Master Chief Collection" reúne pela primeira vez em um só console os quatro principais jogos da série criada pela Bungie em 2001 e tocada atualmente pela 343 Industries.

O pacote traz os jogos "Halo: Combat Evolved Anniversary", "Halo 2 Anniversary", "Halo 3" e "Halo 4". Todos os jogos contam com algum nível de melhorias  gráficas, principalmente "Halo 2" e todos rodam em constantes 60 quadros por segundo. As cenas de corte de "Halo 2" foram todas refeitas e é preciso admitir, estão entre as melhores sequências em computação gráfica já feitas. Algumas cenas novas foram incluídas, ligando a saga de Master chief e do Árbitro ao vindouro "Halo 5: Guardians".

Todas as missões das quatro campanhas já vêm desbloqueadas no primoroso menu inicial. Além disso, listas de jogo (tanto solo quanto multiplayer), permitem  explorar e se divertir no mundo de "Halo" de diversas formas. O pacote inclui também a série "Halo: Nightfall", produzida pelo cineasta Ridley Scott e garante a entrada do jogador no teste beta de "Halo 5", que começa em 29 de dezembro.

Pontos Positivos

Saga do Master Chief

"Halo" é uma das franquias de videogame mais populares nos EUA, mas no Brasil, onde os consoles da Microsoft só se popularizaram a partir do Xbox 360, não é bem assim. Para quem quer conhecer melhor a saga do herói Master Chief, a guerra entre UNSC e Covenant, ou simplesmente entender porque esses jogos são sempre citados entre os mais influentes shooters, a "Master Chief Collection" é o pacote ideal.

Para os jogadores veteranos, encarar novamente os quatro games inclusos na coleção mostra o quanto "Halo" envelheceu bem. Com exceção do primeiro, "Combat Evolved", o design dos mapas e o ritmo das batalhas nesses jogos ainda estão entre os melhores do gênero.

"Combat Evolved" é apresentado aqui na versão "Anniversary", lançada no Xbox 360 em 2011. Mesmo com gráficos melhores do que o original, o jogo não consegue esconder os sinais da idade, afinal ao longo dos anos, a interface da série e os sistemas de controle (sejam as armas, a movimentação ou o icônico jipe Warthog) foram aprimorados. Em 2011 eu já reclamei disso, e reclamo de novo agora: um remake de verdade deveria dar atenção aos controles, não só aos gráficos.

"Halo 2 Anniversary", por sua vez, é a joia da coroa da coletânea. Com gráficos e som refeitos, a campanha solo mostra toda a capacidade da Bungie em criar arenas fantásticas, onde o jogador tem muita liberdade para decidir como vai lidar com os inimigos, gerando situações empolgantes a cada fase - bem diferente do "abaixa e atira" que toma conta dos jogos de tiro contemporâneos.

A história, apresentada em sequências de computação gráfica impressionantes, é uma das melhores da série, principalmente pela dualidade entre Master Chief e o Árbitro, um dos personagens mais complexos da série. Vale comentar, o final abrupto não é sentido com tanta força aqui, pois você pode começar a jogar "Halo 3" logo em seguida - não é preciso esperar 3 anos e comprar um console novo, como aconteceu na época do lançamento original.

Em "Halo 3", a luta continua, como já diziam as propagandas do game em 2007. O jogo que encerra a trilogia original é, na minha opinião, o melhor de todos os "Halo" (seguido de perto por "Reach", que ficou de fora da coletânea).

O jogo traz uma bem vinda atualização gráfica em suas texturas (e upscale para 1080p) no Xbox One e conta com as batalhas mais épicas da saga. Além da introdução de alguns sistemas novos para o combate, a interface melhorada e o clima de guerra entre UNSC e Covenant perceptível em uma escala muito maior do que nos games anteriores são alguns dos elementos que tornam "Halo 3" o ponto alto da saga - um clímax difícil de ser alcançado novamente.

"Halo 4" é o primeiro jogo da série feito pela 343 Industries, após a saída da Bungie das asas da Microsoft. No Xbox One, o jogo surpreende pela beleza visual. Rodando em 1080p e 60 quadros por segundo, é incrível pensar que o Xbox 360 dava conta desse game em 2012.

"Halo 4" marca o começo de uma nova aventura para Master Chief e apresenta novos inimigos - os tecno-orgânicos Promethean - e mais ainda, um olhar intimista para a relação entre o herói e Cortana, a carismática inteligência artifical que o acompanha ao longo de toda a saga. A escala da aventura é mais pessoal do que nos outros "Halo", e por isso falta ao jogo sequências tão grandiosas - ainda assim, é difícil não se emocionar em seus momentos finais, ainda mais depois de encarar a saga inteira de uma ponta a outra.

Melhorias técnicas

Não adianta negar: gráficos melhores fazem diferença, se não tanto na resolução, sem dúvida na taxa de quadros por segundo, os infames "fps". Quanto melhor a taxa, mais fluída as animações vistas na tela. Todos os jogos da "Master Chief Collection" rodam em 60 quadros por segundo, taxa que parece a ideal para games de tiro. Isso vale tanto para a campanha solo quanto para as partidas multiplayer.

Outra melhoria importante é a remasteriação do som em "Halo 2 Anniversary". As armas do jogo nunca soaram tão bem, gerando uma atmosfera envolvente e empolgante para os tiroteios.

Um elemento bacana presente tanto em "Halo: Combat Evolved Anniversary" quanto em "Halo 2" é a possibilidade de retornar o jogo ao formato original, ao toque de um botão. No Xbox One essa transição é instântanea e permite ver como os games eram no passado - e admirar melhor o trabalho de remasterização feito pela 343 Industries.

Em tempo, em "Halo 2", essa transição entre novo e velho poder feita inclusive nas cenas de animação. Os mais curiosos vão se divertir observando as mudanças nos enquadramentos e na linguagem cinematográfica, nesse intervalo de 10 anos.

Listas de jogo

O menu inicial da "Master Chief Collection" é digno de nota e deveria se tornar um exemplo para futuras coletâneas e rematerizações. Funcionando como um filtro para todos os quatro jogos e suas modalidades multiplayer, o menu permite entrar rapidamente em qualquer missão ou conjunto de missões do pacote.

Esses conjuntos são agrupados por temas, seja por algum desafio extra ou em coisas como "Missões que tem veículos", por exemplo, seja em um jogo específicoou entre os diferentes jogos. É um playground cheio de brincadeiras divertidas para os fãs de "Halo". Em particular, os veteranos vão curtir encarar a desafiadora lista que traz toda a saga, da primeira missão de "Halo: Combat Evolved" até o final de "Halo 4", na dificuldade Lendária.

As listas de jogo também são a porta de entrada para as muitas opções de partidas multiplayer. Ou deveriam ser, caso essa modalidade não estivesse completamente quebrada.

Pontos Negativos

Multiplayer quebrado

O multiplayer da série "Halo" é um dos mais festejados da história dos games, em especial o de "Halo 2" - responsável por popularizar a rede online Xbox Live nos EUA. De fato, no primeiro ano do Xbox 360, "Halo 2" era mais jogado online do que os games do novo console e quando foi preciso desativar a rede do Xbox original, os últimos jogadores do game, conhecidos como "the final few" (os últimos poucos, em português) foram 'eternizados' pela Bungie. Não é a toa que a campanha da produtora para "Master Chief Collection" nas redes sociais adotava a hashtag #WEBACK ('nós de volta').

Mas, com "Master Chief Collection", a 343 Industries deu fim a uma fama construída ao longo dos anos com "Halo", tanto pela Bungie quanto pelo novo estúdio: a de lançar jogos multiplayer online que funcionam sem problemas desde o primeiro dia. A verdade é que desde o lançamento, em11 de novembro, os jogadores de "Master Chief Collection" não conseguem encontrar partidas online, em nenhuma das listas de jogo disponíveis. Você passa horas procurando, pesquisando e esperando, sem encontrar ninguém para jogar, como se os servidores estivessem desertos.

Os poucos que conseguem entrar numa partida se deparam com situações bizarras, como disputas que deveriam ter 8 jogadores em cada time rodando com equipes menores, salas com 10 jogadores divididos em times com 6 e 4 membros (e não 5 de cada lado) e mesmo exigências absurdas: uma partida em um mapa enorme que deveria ter rifles sniper como arma disponível acaba pedindo para que os jogadores alvejem 100 oponentes com rifles de curto alcance - algo que levaria horas.

Até mesmo a Escalação no menu inicial, onde você vê os amigos que estão jogando, coisa presente nos jogos da série no Xbox 360, é afetada por problemas técnicos pós-lançamento. Sempre vazia, ela não mostra nenhum amigo online. Mas basta minimizar a tela do jogo e observar a lista de amigos para ver que colegas estão lá, jogando.

A lista de bugs e falhas no multiplayer online segue e é absurda, ainda mais para uma franquia conhecida pela excelência no gênero. A 343 Industries já se desculpou publicamente com os fãs e soltou atualizações nos servidores do jogo, mas até o momento, os problemas persistem.

Conquistas não funcionam

Outro item que deveria ser motivo de festa em "Master Chief Collection" se mostrou uma dor de cabeça: o sistema de conquistas do pacote, que inclui cerca de 100 novos achievements para cada game, totalizando 4000 pontos no Gamescore, apresenta sérios problemas. Algumas conquistas não são contabilizadas, outras são mas não são desbloqueadas. Pior ainda, em alguns casos o achievement pipoca na tela mesmo sem o jogador ter cumprido os requisitos.

Halo Channel

Aplicativo à parte da "Master Chief Collection", o Halo Channel reúne conteúdo multimídia da franquia, como o documentário "Remaking the Legend" sobre a produção de "Halo 2 Anniversary", vídeos sobre os mapas multiplayer e a série "Halo Nightfall" - que deveria estar no disco (ou no pacote de dados na versão digital) da coletânea.

Sempre que você entra em um Terminal nos games (colecionáveis que apresentam mais detalhes sobre a saga de Master Chief), você é enviado para fora do jogo, para assistir a cena extra no Halo Channel. Esse vai e vem é um pouco irritante, mas nem é o maior problema. Como muita coisa envolvendo a coletânea, o Halo Channel também parece um tanto quebrado. Ao tentar assistir a série "Nightfall" através do menu da cópia digital da "Master Chief Collection", você é enviado para o Channel, que pede que você compre a coletânea. Caso você clique na opção de comprar, é enviado de volta para o jogo. Clique em assistir novamente e vai voltar para o Channel, em um ciclo infinito.

Ao entrar na série diretamente pelo aplicativo, você pode ser levado para qualquer outro vídeo presente no Halo Channel. Até o momento, a 343 não se manifestou sobre o problema, apesar de muitas reclamações dos fãs.

Conteúdo incompleto

"Halo: The Master Chief Collection" não é um pacote tão completo quanto deveria, ao menos no lançamento. Falta a campanha cooperativa Spartan Ops; opções de legendas em português para "Halo 2 Anniversary"... duas coisas que estão prometidas para atualizações que saem até o fim do ano. Mas, com a 343 Industries enfrentando problemas maiores, como fazer o multiplayer funcionar, por exemplo, fica a dúvida se a produtora será capaz de entregar o conteúdo restante no prazo.

Também é uma pena ver mais uma oportunidade de dublar "Halo: CE Anniversary" e o próprio "Halo 2" em português ser desperdiçada. Na geração passada, a Microsoft foi pioneira em localizar jogos de console para o Brasil (na época, só jogos de PC recebiam esse tratamento). O que hoje é norma, naqueles dias era exceção. "Halo 3" foi um dos principais exemplos da iniciativa e depois dele, todo novo "Halo" foi devidamente localizado - com exceção dos dois primeiros, mesmo quando remasterizados.

Nota: 7 (Bom)

Mais Reviews