PUBLICIDADE
Topo

Zeca Camargo: 'Audiência da MTV era baixíssima, a influência era absurda'

Mais Oi, Sumido
1 | 16
Siga o UOL no

Liv Brandão e Roberto Sadovski

De Splash, em São Paulo

12/09/2020 04h00

Toda grande história tem um começo, e o da MTV foi o mais doido possível. Afinal, naquela época, não havia referências de outros canais de música como aquele no Brasil. Ou seja, tudo estava sendo criado do zero. Os ex-VJs Astrid Fontenelle, Edgard Piccoli, Marina Person, Sabrina Parlatore e Zeca Camargo relembraram os primórdios do canal no primeiro episódio do programa "Oi, Sumido".

O grande barato era esse, como tudo na MTV! A gente podia inventar literalmente qualquer coisa. Fizemos várias coisas horríveis, mas a gente fez coisas geniais. A grande vantagem é que a gente tinha uma audiência baixíssima (aliás, praticamente zero), mas tinha uma influência absurda.

Zeca Camargo

E eles tinham um jeitinho todo especial de lidar com essa tal liberdade

Quando a gente fazia uma coisa muito ruim, a gente escondia, não passava nunca mais. Se fazíamos uma coisa boa, nós repetíamos um bilhão de vezes.

A grande exceção foi a treta com o Caetano Veloso e o David Byrne no VMB de 2004 —o "MTV, bota essa porra pra funcionar", que os apresentadores Liv Brandão e Roberto Sadovski também trataram no programa.

Outro grande trunfo do pioneirismo da MTV foi a influência sobre o que passou a ser feito na TV brasileira:

O MTV Sports mudou o padrão de edição da TV brasileira, não só a produção de clipes, mas a produção de programas e de reportagens

Astrid Fontenelle

Veja a íntegra do 'Oi, Sumido' MTV