PUBLICIDADE
Topo

'Cidade Invisível' acerta com suspense viciante e versão adulta de mitos

Alessandra Negrini, Marco Pigossi e Áurea Maranhão em cena de "Cidade Invisível", da Netflix - Divulgação/Netflix
Alessandra Negrini, Marco Pigossi e Áurea Maranhão em cena de 'Cidade Invisível', da Netflix Imagem: Divulgação/Netflix

Beatriz Amendola

De Splash, em São Paulo

04/02/2021 11h59

Estamos mais do que acostumados a ver séries e filmes com criaturas fantásticas como elfos e duendes. Figuras do folclore brasileiro? Nem tanto —e quando elas aparecem, geralmente é em programas infantis, como "O Sítio do Picapau Amarelo". Mas "Cidade Invisível", que estreia amanhã na Netflix, corrige isso. E muito bem.

Divulgação

Cidade Invisível

Lançamento: 2021 Pais: Brasil
splash
4,2 /5
USUÁRIOS
4,7 /5
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

Fizemos uma análise geral de cenário, figurino, direção de arte e fotografia

A diversão é uma nota na qual propomos, que independente das notas técnicas, a produção vale ser vista

Pontos Positivos

  • Elenco afiado, com boas interpretações
  • Roteiro envolvente, com uma história que você não consegue parar de ver
  • Nova roupagem dada a figuras do nosso folclore é interessante e funciona

Pontos Negativos

  • Trama às vezes dá voltas nos mesmos lugares

Veredito

"Cidade Invisível" é mais um acerto da Netflix no Brasil. A série tem um elenco forte e uma história que envolve, mesmo que em alguns momentos pareça dar mais voltas do que o necessário. A repaginada nos personagens clássicos do nosso folclore é bem-vinda e bem-feita, com efeitos especiais que impressionam.

Leia a crítica completa

Comandada por Carlos Saldanha ("A Era do Gelo"), em sua primeira série live-action, e estrelada por Marco Pigossi e Alessandra Negrini, "Cidade Invisível" traz uma versão interessante (e adulta) dos nossos mitos, embalada em um suspense viciante.

A produção acompanha Eric (Pigossi), um detetive da polícia ambiental que investiga a misteriosa morte de sua mulher, Gabriela (Julia Konrad). Durante o trabalho, no entanto, ele acaba descobrindo que o Rio de Janeiro que ele conhece está habitado por figuras fantásticas —que parecem estar de alguma forma ligadas ao incêndio em que Gabriela morreu.

São criaturas como o Curupira, o Saci e a Cuca, que se materializa aqui na figura de Inês (Alessandra Negrini), dona de bar e uma poderosa bruxa que sabe mais do que revela e que mantém com Eric uma relação de desconfiança mútua, mais do que uma relação vilã-mocinho.

Com seus personagens ambíguos e um elenco afiadíssimo, em que se destaca também Jéssica Cores, "Cidade Invisível" constrói uma trama envolvente, viciante e maratonável, que consegue manter o interesse em seus mistérios mesmo nos momentos em que dá algumas voltas desnecessárias.

É fascinante, também, o Rio de Janeiro mostrado pela série. Ela foge do Leblon e de Copacabana para levar a história para a Lapa, passeando por suas vielas e, até, por uma ocupação —onde mora Isac (Wesley Guimarães), o Saci.

E já que estamos falando do visual: "Cidade Invisível" também tem um trabalho muito interessante de efeitos visuais, que são consistentes e não ficam nada a dever para outras séries da Netflix.

É importante notar que este texto foi feito antes de a série ser disponibilizada por completo na Netflix. Mas a julgar pelos quatro primeiros de seus sete episódios, "Cidade Invisível" tem tudo para ser mais um esforço bem-sucedido da gigante do streaming por aqui.

Estamos de olho!