PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Com Faustão, Band mira 3º no ibope e novo status na publicidade

Fausto Silva sai este ano do "Domingão" da Globo direto para a Band em 2022 - Reprodução/TV Globo
Fausto Silva sai este ano do "Domingão" da Globo direto para a Band em 2022 Imagem: Reprodução/TV Globo
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

01/05/2021 00h09

A TV brasileira foi sacudida ontem por uma das notícias mais bombásticas da última década: Fausto Silva vai para a Band; na semana que vem ele deve assinar um contrato de cinco anos com a emissora da família Saad.

Grosso modo, a notícia se equipara à ida de Gugu para a Record em 2009 (aham, pigarro, furo desta coluna).

Também comprova o que esta coluna publicou em julho do ano passado: em plena pandemia, a Band é a TV que demonstrava mais coragem, audácia e uma incrível resiliência.

Quem poderia imaginar Faustão de volta à Band? Ainda mais que até recentemente eu (e todos os jornalistas de TV) especulávamos sobre se sua "misteriosa" saída da Globo não teria relação com supostos problemas de saúde.

A renovação da Band já havia começado no ano passado, com mudanças em sua área comercial, novos investimentos e a contratação de Zeca Camargo, entre outras coisas.

Tudo se reforçou este ano com a volta do "Show do Esporte" e a surpreendente aquisição da Fórmula 1.

Band subiu de nível

Faustão chega para consolidar o novo status da Band, que em um ano apenas abriu duas frentes: demonstra que vai brigar pelo terceiro lugar no ibope (o SBT que se cuide); e declara taxativamente para o mercado publicitário que não é mais a mesma emissora.

A Band entrou num novo patamar e decididamente passará a ter um novo status comercial.

Na consolidação de sua nova grade ainda faltam ser anunciadas as novas séries que estão sendo adquiridas e, mais que isso: vem dramaturgia nacional aí, minha gente.

A Band jamais desistiu de ter seu núcleo de produção dramática, que inclui não apenas novelas, mas também minisséries e seriados.

O objetivo é que nos próximos anos ela já esteja vendendo todo tipo de conteúdo —inclusive internacionalmente.

No caso da dramaturgia, a única coisa que está decidida é que as novelas e séries serão, como direi, "curtas e grossas".

Nada de sagas enormes (ou bíblicas), nada de histórias lentas ou confusas ou complexas.

Não, a ideia é que todo esse conteúdo seja ágil.

A cereja

Por fim, a contratação de Faustão é a velinha do bolo que faltava para as comemorações dos 55 anos da Band em 2022.

E tem mais uma coisa que ninguém está notando. A Band pode ser hoje a 4ª emissora do país, mas as pessoas esquecem que é a maior rede de rádio da América do Sul. E Faustão começou sua carreira no rádio.

Além de corajosa e determinada, a emissora da família Saad expele um imenso alento de vida na TV aberta (e também na fechada, uma vez que está prestes a lançar novos canais e novo conteúdo).

Quem acreditava que a TV já estava morta, o recado aparente da família Saad é este: podem tirar os equinos da intempérie.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops