PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Opinião: Canais também têm (muita) culpa por decadência da TV paga

Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

07/04/2021 15h12

Nos últimos anos esta coluna tem repetido dados consolidados de ibope e da Anatel que comprovam a queda de audiência e sangria de assinantes da TV por assinatura.

Também sempre repete os motivos que levaram à decadência dessa mídia que se instalou nos anos noventa, floresceu nos anos 2000 e tinha grandes expectativas de se agigantar na década passada.

Entre os motivos para a derrocada estão fatores externos e irresistíveis, com o desemprego, a pirataria desenfreada e o surgimento de novos concorrentes de peso, como a própria internet onde você lê este texto e assiste ao vídeo acima; e o jovem e (ainda) barato streaming, que cativou o coração, os olhos e o débito automático de milhões de brasileiros.

Já falamos também de que parte da culpa dessa fuga de assinantes e perda de importância deve ser atribuída às operadoras, que por anos optaram em cobrar preços certamente altos para pacotes enquanto ofereciam em muitos casos um péssimo serviço e atendimento a seus assinantes.

Mas, não podemos esquecer um último elemento dessa equação que tem uma gigantesca culpa em cartório: os canais pagos.

Canais que oferecem uma programação muitas vezes medíocre, repetitiva, cansativa, que demonstram enorme preguiça em inovar e que menosprezam a inteligência do consumidor de seu sinal.

Canais que repetem o mesmo episódio de um programa três ou quatro vezes por dia; que interrompem a grade a cada dez minutos para exibir outros cinco minutos de "propaganda institucional" repetitiva e enfadonha; e que mantêm as mesmas chamadas das atrações por anos a fio...

Canais que exibem os mesmos comerciais de um mesmo produto dezenas de vezes por dia, e por meses a fio; ou, pior, que ALUGAM horários para programas de vendas de produtos ou caça-níqueis; só falta mesmo venderem para igrejas. Mas é melhor não dar ideia.

É sobre tudo isso que o colunista Ricardo Feltrin fala esta semana no canal do UOL no YouTube.

Assista ao vídeo desta semana.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL