PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

Assista: A explosão do consumo de streaming no Brasil

Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

10/11/2020 00h09

Ontem esta coluna trouxe dados inéditos sobre audiência da TV e do streaming no Brasil.

A coluna informou como a Globo registrou em outubro o pior índice de audiência mensal em quase dois anos e que, além disso, foi o pior outubro desde 2015.

Na comparação com outubro do ano passado a Globo perdeu mais de 6% de ibope.

E não só ela: com exceção da Record, todas as outras TVs abertas também registraram queda.

Motivos não faltam

Embora ainda seja o mais importante veículo de comunicação para a publicidade e seja o único entretenimento doméstico de pelo menos 80 milhões de pessoas (sendo que 55 milhões delas estão abaixo da linha de pobreza), a TV aberta vê fuga de público para outras telas, como a do celular.

O que mais chama a atenção é o crescimento do consumo de streaming por meio de aparelhos de TV. Isso certamente é outro motivo que explica a perda de público da TV aberta.

Em outubro do ano passado, de cada 100 aparelhos de TV no país, 5 passavam 24 horas sendo usados só para consumo de todo o tipo de streaming.

No mês passado esse índice passou de 15,6 aparelhos a cada 100. Um crescimento impressionante de 183% em apenas um ano.

É sobre isso que a coluna trata no programa desta semana no canal do UOL no YouTube.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL