PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

Covid-19, reprises e mudanças de grade afundam audiência do SBT

WWE é exibido aos sábados no SBT e afunda o ibope da emissora - Reprodução / Internet
WWE é exibido aos sábados no SBT e afunda o ibope da emissora Imagem: Reprodução / Internet
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

19/05/2020 00h09

A pandemia de coronavírus está prejudicando o SBT mais que as demais emissoras. Além de ser uma das emissoras com mais casos confirmados da doença, ela também está tendo seus negócios prejudicados e perdendo ibope em praticamente todas as faixas horárias.

Sobre a queda de ibope, esse é um ônus que a emissora paga por ter um jornalismo eternamente capenga e por nunca ter investido muito em conteúdo próprio. A verdade é que o SBT não tem acervo.

Outra causa da queda de ibope, que talvez pudesse ser evitada, são as mudanças constantes que Silvio Santos faz ou ameaça fazer na grade programação.

Abril foi a pior média mensal do SBT dos últimos cinco anos no Painel Nacional de Televisão (PNT). Em São Paulo foi o pior índice mensal desde julho de 2017.

No último sábado (16), na média 24 horas, o SBT registrou apenas 3,7 pontos, contra 4,4 pontos da Record e 11,6 da Globo (cada ponto igual a 75 mil domicílios na Grande SP).

Para comparação: no dia 18 de maio de 2019, também um sábado —e sem confinamento—, o SBT havia marcado 6,4 pontos contra 4,7 pontos da Record.

O último sábado foi um dos piores resultados da história da emissora de Silvio Santos desde sua fundação.

Além de todos os programas desse dia serem reprises (quase todas as novas gravações foram suspensas), Silvio ainda cismou de exibir o WWE depois do "Programa Raul Gil".

Resultado: o WWE marcou 2,8 pontos e afundou toda a programação seguinte.

O SBT Brasil", por exemplo, marcou só 3,3 pontos e ficou em quarto lugar, atrás da Band.

Desde que começou o isolamento social, o SBT perdeu a segunda colocação em São Paulo para a Record.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL