PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

"Live" de Beto Barbosa receberá doações para músicos e bailarinos

Beto Barbosa durante entrevista no "Encontro com Fátima", na Globo - Reprodução/Globo
Beto Barbosa durante entrevista no "Encontro com Fátima", na Globo Imagem: Reprodução/Globo
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

04/05/2020 00h18

O cantor e compositor Beto Barbosa relutou bastante em aceitar fazer uma "live". Por dois motivos básicos.

Um deles é seu temperamento naturalmente inconformado: ele só gosta de criar modas (como a lambada), não de segui-las. Como "todo mundo" estava fazendo "lives", diz, sua primeira reação foi não querer fazer.

O segundo motivo é mais palpável e delicado: sua condição de saúde.

Esse cantor nascido em Belém do Pará é duplamente grupo de risco em relação à pandemia de coronavírus.

Não só por causa da idade (65 anos), mas principalmente porque ainda está em estado de alerta após ser operado para retirada de um câncer, dois anos atrás.

O tratamento continua e sua saúde já não estava 100% mesmo antes da pandemia. Agora o risco é ainda maior.

No entanto, Raimundo Roberto Morhy Barbosa acabou convencido a fazer a bendita "live".

Não só pelos fãs, mas principalmente por músicos e bailarinos que trabalham e trabalharam durante a carreira do "rei da lambada" (nota: o inconformado já está farto desse título também).

"Entrei na história da 'live' com a condição de tentar arrecadar doações para ajudar dois dos grupos profissionais mais afetados no momento: os músicos e os bailarinos que se apresentaram comigo nestes 35 anos de carreira."

Mesmo sem shows, ele não os abandonou e tem tentado ajudá-los de alguma forma, seja em dinheiro ou mantimentos.

A "live" vai ocorrer na próxima quinta, 20h, e será transmitida somente em seu canal oficial no YouTube.

Ele espera que o público possa colaborar com o projeto fazendo doações por meio de um QR Code que estará o tempo todo na tela.

Devido à delicadeza de seu estado de saúde, a "live" será transmitida de um município afastado (não revela qual) de Fortaleza, capital onde ele mora.

"Um lugar isolado do público e longe de aglomerações", afirma.

O show terá, além do próprio Beto, um percussionista, um sanfoneiro e um teclado Yamaha top de linha com todas as bases "sampleadas".

A ideia é fazer algo intimista e com o mais baixo custo possível —justamente para que tudo que for arrecadado além dos gastos da produção seja direcionado aos músicos e dançarinos.

Apesar de ter uma carreira vencedora (mais de 25 milhões de discos vendidos), ser filho de comerciantes árabes e educado para poupar, o tratamento contra o câncer lhe tirou —e ainda tira— um boa parte do patrimônio duramente guardado.

"Depois do câncer, continuo em estado de alerta com exames de três em três meses, e lutando para recuperar as forças que perdi nesses dois anos de tratamento. As cirurgias e as sessões de quimioterapia me debilitaram bastante."

"Quem manda é Deus e o público, e se eles me ajudarem vou conseguir diminuir um pouco da angústia —a minha e a desses profissionais que são tão valiosos."

Para fazer doações pelo QR Code é preciso ter o aplicativo no celular. Ele pode ser baixado em todas as lojas virtuais.

Mas, quem não tiver QR Code também poderá fazer doação ligando diretamente à produção, por meio de um número que será disponibilizado na tela do YouTube durante a apresentação.

Live: Beto Barbosa

Quando: Quinta, dia 7, 20h

Onde: Canal oficial do artista no YouTube

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL