PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

TV paga: Discovery chega a bater GloboNews no ibope em horário nobre

O britânico Ed Stafford, uma das estrelas sobrevivencialistas do Discovery Channel - Reprodução/YouTube/Discovery
O britânico Ed Stafford, uma das estrelas sobrevivencialistas do Discovery Channel Imagem: Reprodução/YouTube/Discovery
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

14/04/2020 00h18

De longe um dos melhores conteúdos da TV por assinatura, o portfólio de canais do Grupo Discovery tem registrado elevados índices de audiência com a quarentena causada pela pandemia de coronavírus.

E, justiça seja feita, os canais já estavam indo bem nos últimos anos, mesmo sem confinamento.

De meados de março a 5 de abril, os canais Discovery cresceram 17% no ibope nas 24 horas do dia.

Durante o dia o aumento chegou a 20%; no horário nobre o crescimento foi de 12%; e, nas madrugadas, 15%.

Na primeira semana de abril os canais do grupo atingiram a maior audiência dos últimos três anos.

Vale dizer que isso ocorreu mesmo com a acentuada queda no número de assinantes da TV paga no Brasil desde então.

Canais como Home & Health e o Animal Planet bateram seu recorde histórico de audiência também entre total indivíduos, segundo dados consolidados da Kantar Ibope Media.

Kantar confirma

Neste caso específico, a Kantar confirmou os números antes desta divulgação.

No último dia de março. o Discovery Channel obteve uma rara façanha: foi o canal mais assistido de toda a TV por assinatura durante todo o horário nobre.

Ele inclusive registrou 13% de audiência a mais que o atual canal líder durante a pandemia, GloboNews.

O índice foi alavancado pela maratona de exibições de programas de sobrevivência: "Ed Stafford - O Sobrevivente", "Largados e Pelados", além de um episódio inédito da nova série "Largados e Pelados: Sozinhos".

Ok, foi apenas uma noite, mas, para um período de terror social com uma doença mortal, em que todos estão preocupados com o noticiário, não deixa de ser um feito.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops