PUBLICIDADE
Topo

Autoridades acreditam existir balas reais entre cartuchos apreendidos em set

27/10/2021 19h56

Los Angeles (EUA.), 27 out (EFE).- As autoridades do condado de Santa Fe, que fica no estado do Novo México, nos Estados Unidos, encontraram no estúdio onde o ator Alec Baldwin matou acidentalmente a diretora de fotografia Halyna Hutchins cerca de 500 cartuchos com munição, e acreditam que podem haver balas reais misturadas com cenográficas.

O xerife de Santa Fe, Adan Mendoza, concedeu entrevista coletiva nesta quarta-feira e, apesar de demonstrar cautela, confirmou que foram localizadas a arma e a bala que mataram Hutchins durante a gravação do filme "Rust", na última quinta-feira.

O revólver Colt 45 é um dos quase 600 objetivos que as autoridades apreenderam após inspecionar o estúdio, onde encontraram os cerca de 500 cartuchos de munição mencionados por Mendoza.

O xerife descreveu o material como uma mistura de "cartuchos de munição de festim, balas falsas", mas suspeita que pode haver "balas verdadeiras".

Questionado sobre a possível responsabilidade legal de Baldwin, que além de protagonista, é um dos produtores do filme, Mendoza garantiu que "ninguém está descartado".

A única informação confirmada nas investigações é que a arma disparada estava guardada com outras, uma modificada, que não poderia disparar munição real e outra de plástico.

Na tarde da última quinta-feira, no entanto, Baldwin recebeu uma pistola real, carregada com, pelo menos, uma bala, segundos antes de ensaiar uma cena em que precisava apontar para a câmera que Hutchins operava.

Um disparo acabou matando a diretora de fotografia e atingindo no ombro o diretor do filme, Joel Souza.

Sabe-se que a arma, antes de ser manuseada por Baldwin, também foi utilizada por Dave Halls, assistente de direção, e Hannah Gutierrez Reed, a armeira da produção.

"A investigação continuará e, se o escritório do xerife determinar que houve um crime e que há uma causa provável, haverá prisões e serão apresentadas acusações formais", disse Mendoza. EFE