PUBLICIDADE
Topo

Tablete de argila de 3.500 anos com fragmento da Epopeia de Gilgamesh é devolvido ao Iraque

07/12/2021 14h40

Bagdá, 7 dez 2021 (AFP) - Um tablete de argila de 3.500 anos com um fragmento da "Epopeia de Gilgamesh", um dos textos literários mais antigos da humanidade, foi devolvida ao Iraque pelos Estados Unidos nesta terça-feira (7).

Em entrevista coletiva em Bagdá, o ministro das Relações Exteriores entregou ao ministro da Cultura três peças devolvidas pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido: o tablete de Gilgamesh, a cabeça de um carneiro sumério e um tablete sumério.

O tablete de Gilgamesh "é de grande importância, é um dos textos literários mais antigos da história", disse à AFP o ministro da Cultura e Antiguidades, Hassan Nazem.

A "Epopeia de Gilgamesh" narra as aventuras do poderoso rei da Mesopotâmia em sua busca pela imortalidade.

O tablete com caracteres cuneiformes teria sido roubado de um museu ou sítio arqueológico iraquiano em 1991, durante a Guerra do Golfo que estourou após a invasão do Kuwait.

Nazem destacou a "mensagem enviada a todos os que contrabandeiam as nossas antiguidades e as vendem em leilões internacionais", afirmando que "o destino destas operações é a restituição".

Em um ano, o Iraque recuperou cerca de 18.000 peças, das quais 17.899 têm cerca de 4.000 anos.

"Este dia representa uma vitória contra as tentativas desesperadas daqueles que buscam roubar nossa grande história e nossa antiga civilização", comemorou o chefe da Diplomacia iraquiana, Fouad Hussein.

O tablete de Gilgamesh reapareceu no Reino Unido em 2001. Um negociante de arte americano comprou-o em 2003 de uma família jordaniana estabelecida em Londres. Posteriormente, ele o enviou aos Estados Unidos sem especificar a natureza do pacote na alfândega e o vendeu a um antiquário em 2007 por US $ 50.000, com um certificado de origem falso.

Finalmente foi vendido em 2014 por $ 1,67 milhão para os proprietários do Museu da Bíblia em Washington.

Em 2017, um curador do museu se interessou pela proveniência do tablete, julgando os documentos fornecidos no momento da compra incompletos, levando à sua apreensão em 2019.

O Iraque sofre há décadas com o saque de suas antiguidades, especialmente após a invasão dos EUA em 2003 e a chegada do grupo Estado Islâmico (EI) dez anos depois.

sf-tgg/feb/mab/mr