PUBLICIDADE
Topo

Empresa israelense NSO descarta que Macron fosse alvo de programa de espionagem Pegasus

21/07/2021 19h08

Herzliya, Israel, 21 Jul 2021 (AFP) - Um alto funcionário da gigante israelense de segurança cibernética NSO afirmou nesta quarta-feira (21) que o presidente francês, Emmanuel Macron, não foi alvo de seu polêmico programa Pegasus, no centro de um escândalo mundial de espionagem que levou a ONG Repórteres Sem Fronteiras a pedir uma moratória sobre suas vendas.

As organizações Forbidden Stories e Anistia Internacional obtiveram uma lista de 50 mil números de telefone, selecionados para clientes da NSO desde 2016 para serem potencialmente monitorados, e a compartilharam com um consórcio de 17 veículos de imprensa que revelaram sua existência no domingo.

O presidente francês, o rei Mohammed VI do Marrocos e o primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, estão na lista, assim como 180 jornalistas que foram espionados por diferentes Estados que tiveram acesso a esse programa.

Instalado em um celular, o Pegasus pode recuperar mensagens, fotos, contatos e ativar o microfone à distância.

Chaim Gelfand, alto funcionário do grupo, disse à rede I24 News que podia "afirmar com certeza que o presidente Macron não era um alvo". "Há alguns casos que foram revelados, o que nos traz problemas, e vamos começar a revisar os eventos", acrescentou.

Logo depois, o grupo com sede em Tel Aviv alegou ser vítima de uma campanha "perversa e caluniosa" e anunciou em um comunicado que "não responderia às perguntas da mídia" sobre o caso Pegasus.

"A NSO é uma empresa de tecnologia. Não operamos os sistemas nem temos acesso aos dados de nossos clientes, mas eles têm a obrigação de nos fornecer essas informações em caso de investigações", afirmou.

A empresa, que conta com 850 funcionários, tem contratos com 45 países e diz que seus negócios precisam passar pela aprovação do Ministério da Defesa de Israel.

dac/srm/dca-gl/dwo/pjm/eg/dg/ic/mvv