PUBLICIDADE
Topo

'Suprema corte' do Facebook julgará suspensão de Trump

21/01/2021 18h49

San Francisco, 21 Jan 2021 (AFP) - O Facebook anunciou nesta quinta-feira (21) que pedirá a especialistas independentes que decidam se a suspensão da conta de Donald Trump por "fomentar a insurreição" deve ser mantida.

Facebook e Instagram suspenderam Trump depois que os apoiadores do republicano invadiram o Capitólio em 6 de janeiro em um ataque que levou a um segundo julgamento de impeachment do agora ex-presidente dos Estados Unidos.

O Facebook repassou a decisão ao seu conselho de supervisão independente, conhecido coloquialmente como a "Suprema corte" da rede social, que pode tomar decisões vinculativas que até mesmo o CEO Mark Zuckerberg deve obedecer.

"Acreditamos que nossa decisão foi correta e necessária", afirmou o vice-presidente de assuntos mundiais do Facebook, Nick Clegg, em um blog.

"Nossa decisão de suspender o acesso do então presidente Donald Trump foi tomada em circunstâncias extraordinárias: um presidente dos Estados Unidos fomentando uma violenta insurreição destinada a distorcer a transição pacífica de poder, cinco mortos, legisladores fugindo da sede da democracia".

Circunstâncias sem precedentes levam a decisões sem precedentes, argumentou Clegg, um ex-vice-primeiro-ministro britânico.

O conselho de supervisão tem a atribuição de decidir sobre recursos relativos a materiais retirados ou mantidos da maior rede social do mundo. Foi formado no ano passado em meio a temores de desinformação e manipulação em torno das eleições presidenciais nos Estados Unidos.

O acesso de Trump à conta no Facebook está suspenso até que o conselho tome uma decisão, de acordo com Clegg.

"Esperamos, de acordo com as justificativas para nossas ações em 7 de janeiro, que o conselho decida manter a opção que tomamos", argumentou.

Além de uma decisão final, o Facebook receberá "recomendações do conselho sobre suspensões quando o usuário for um líder político", acrescentou Clegg.

As reações à suspensão de Trump variaram de críticas ao Facebook por não tê-lo suspendido antes à raiva por sua voz ter sido silenciada.

"Consideramos que nas democracias abertas as pessoas têm o direito de ouvir o que seus políticos dizem - o bom, o ruim e o feio - para que possam ser responsabilizadas", disse Clegg. "Mas isso nunca significa que os políticos podem dizer o que quiserem", concluiu.

Os membros do conselho são oriundos de vários países e incluem juristas, ativistas de direitos humanos, jornalistas, ganhadores do Prêmio Nobel e um ex-primeiro-ministro da Dinamarca.

gc/rlY/gm/ll/am/mvv

FACEBOOK