Conteúdo publicado há 26 dias

Envolvido na morte do filho de Cissa Guimarães deixa cadeia após 9 meses

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro concedeu progressão de pena para regime aberto a Roberto Martins Bussamra, envolvido na morte de Rafael Mascarenhas, filho da Cissa Guimarães, em 2010. A assessoria da atriz informou que ela não vai comentar a decisão no momento.

O que aconteceu

Roberto é pai de Rafael Bussamra, que atropelou Rafael Mascarenhas e não prestou socorro. O pai foi condenado por pagar propina aos policiais que liberaram o carro e Rafael após o acidente. A princípio, a sentença foi de oito anos em regime fechado e nove meses em semiaberto.

O pai foi solto por cumprir um sexto da pena recebida, segundo o TJRJ. Conforme o órgão, a decisão de progredir a pena aconteceu após manifestação favorável do Ministério Público de Justiça do Rio.

SEAP informou que Roberto deixou a cadeia na segunda (17). Conforme a Secretaria de Administração Prisional, o custodiado já foi encaminhado ao albergue domiciliar.

Bussamra será monitorado por tornozeleira eletrônica. Ele também está proibido de sair de casa entre 22h e 6h, bem como nos dias de folga, finais de semana e feriados. Bussamra também deverá comparecer trimestralmente a audiências judiciais.

Splash entrou em contato com a assessoria de Cissa Guimarães, que informou que a atriz não vai se manifestar sobre a decisão no momento. A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Roberto Bussamra. O espaço segue aberto para manifestação.

Relembre o caso

No dia 20 de julho de 2010, Rafael Mascarenhas, filho de Cissa Guimarães Raul Mascarenhas, morreu após ser atropelado no Túnel Acústico (hoje Túnel Acústico Rafael Mascarenhas), na Gávea, zona sul do Rio de Janeiro.

Naquela madrugada, Rafael, que tinha 18 anos, andava de skate com amigos no túnel, que estava fechado para manutenção, quando foi atingido por um veículo em alta velocidade. Segundo testemunhas, dois carros se aproveitaram da interdição do túnel para apostar um "racha".

Continua após a publicidade

Rafael Bussamra, que dirigia o veículo que atropelou Mascarenhas, fugiu do local do acidente sem prestar socorro. O pai dele, Roberto Bussamra, foi acusado de subornar policiais para livrar o filho — os agentes foram expulsos da Polícia Militar do Rio de Janeiro e responderam a ações criminais.

Mascarenhas foi levado ao Hospital Miguel Couto ainda com vida. Ele chegou à unidade com politraumatismos na cabeça, no tórax, nos braços e nas pernas. O rapaz chegou a ser operado, mas morreu por volta das 8h da manhã do mesmo dia.

Rafael e Roberto foram presos em setembro de 2023, 13 anos após o crime. Rafael cumprirá sentença de sete anos de prisão em regime fechado e mais cinco anos e nove meses em semiaberto. Ele foi condenado por homicídio culposo, além de dirigir em área fechada para tráfego e deixar o local sem prestar socorro após atropelar Rafael Mascarenhas.

Errata:

o conteúdo foi alterado

  • Constava numa versão anterior deste texto que Roberto Bussamra foi condenado pela morte de Rafael Mascarenhas. Na verdade, a condenação foi por pagar propina aos policiais envolvidos no caso. A informação foi corrigida.

Deixe seu comentário

Só para assinantes