PUBLICIDADE
Topo

Como jurado da 'Dança dos Famosos' mudou a vida de Lázaro Ramos

Lázaro Ramos e o coreógrafo José Carlos Arandiba, o Zebrinha - Divulgação/Globo
Lázaro Ramos e o coreógrafo José Carlos Arandiba, o Zebrinha Imagem: Divulgação/Globo

De Splash, em São Paulo

05/07/2022 04h00

Lázaro Ramos participou ontem da Bienal do Livro de São Paulo e falou sobre as pessoas que o ajudaram a se transformar no escritor e artista que é hoje. Curiosamente, um de seus mestres foi o coreógrafo baiano Zebrinha, que recentemente ficou mais conhecido do grande público como um dos jurados do quadro "Dança dos Famosos", no "Domingão com Huck".

O ator falou como seu conterrâneo teve papel fundamental em sua vida e formação crítica com uma metodologia única e eficaz: botar Lázaro para lavar louça. Para Lázaro, que já tem seis obras publicadas, parte delas dedicada ao público infantil, o coreógrafo é seu segundo pai.

Leia o depoimento de Lázaro Ramos sobre Zebrinha:

O Zebrinha tem um papel fundamental na minha vida. Ele é um grande coreógrafo brasileiro que com 16 anos de idade saiu do nosso país para tentar espaço na dança mundial. Fez uma carreira incrível e voltou para a Bahia fazendo um trabalho muito relevante na dança baiana dentro do balé folclórico da Bahia. Ele se tornou também coreógrafo do Bando de Teatro Olodum.

O Zebrinha falou muito sobre conhecimento e literatura para mim. Ele me mostrou referências que eu não tinha. Como Nina Simone, até o próprio Nelson Mandela é o Zebrinha que me apresenta. Ele tinha um processo lindo de passar conhecimento. Ele era muito disciplinador e fazia algumas coisas que eu só fui entender muito tempo depois.

zebrinha - Fabio Rocha/Globo - Fabio Rocha/Globo
Zebrinha faz parte do júri técnico da 'Dança dos Famosos'
Imagem: Fabio Rocha/Globo

Ele fazia alguns almoços nos domingos na casa dele e levava jovens artistas e artistas mais velhos. Todas as vezes que eu chegava, depois que a gente almoçava ele falava que era meu dia de lavar o prato. E eu achava que era somente para ele me dar a lição de que eu precisava ser responsável pelos cuidados da casa também.

Anos depois que entendi. O lugar da pia dele era exatamente onde tinha uma janela grande e vários escritores, dançarinos e atores ficavam sentados após o almoço conversando. E ao lavar os pratos naquela janela eu não tinha outra coisa a fazer a não ser escutar esses escritores.

Foi a técnica que ele teve para me parar enquanto adolescente agitado e prestar atenção nesses escritores que falavam sobre suas inspirações. E aí a transformação veio. Porque eu tive essa oportunidade de parar e escutar.

Zebrinha é meu segundo pai.