PUBLICIDADE
Topo

Felipe Neto busca Justiça para que Malafaia 'financie' iniciativas LGBTQIA+

Felipe Neto se pronunciou sobre ação judicial nas redes sociais - Reprodução/YouTube
Felipe Neto se pronunciou sobre ação judicial nas redes sociais Imagem: Reprodução/YouTube

Colaboração para Splash, em São Paulo

25/06/2022 15h54

Felipe Neto reagiu hoje ao acordo feito por Silas Malafaia com o MPRJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), após o pastor perder dois processos movidos pelo youtuber por ofensas nas redes sociais.

"Malafaia decidiu fazer 'transação penal' para não ser denunciado pelos crimes que cometeu contra mim. Pagará R$ 24 mil para uma instituição de caridade", publicou Neto, no Twitter. "Como eu não quero dinheiro do pastor, entraremos na Justiça cível pedindo indenização a ser destinada para instituições que cuidem de pessoas LGBTQIA+ em situação de vulnerabilidade", acrescentou, depois de dizer que considerava o valor acordado "muito pouco para o que ele fez."

A informação sobre o acordo entre Silas Malafaia e o MPRJ foi divulgada ontem pela coluna de Guilherme Amado, do portal Metrópoles.

Após perder os dois processos movidos por Neto, o pastor recorreu a um acordo judicial para evitar a condenação. Em decisão proposta pelo MPRJ, ficou estipulado que Malafaia terá que pagar cerca de dez salários mínimos para cada ação, cerca de R$ 24 mil. O valor será doado a uma instituição de caridade.

Relembre por que Felipe Neto processou Silas Malafaia

Em 2019, Felipe Neto acionou a Justiça contra o pastor Silas Malafaia por ter sido chamado de "bandido" e "canalha" em um vídeo do religioso. As falas aconteceram logo após o youtuber comprar 14 mil livros com a temática LGBTQIA+ para distribuí-los de graça na Bienal do Livro do Rio de Janeiro.

Isso aconteceu em resposta ao pedido do então prefeito do Rio, Marcello Crivela (Republicanos), para recolher de um estande da Bienal uma HQ que trazia na capa personagens gays se beijando.

No vídeo criticando a iniciativa do youtuber, Malafaia disse que Neto queria "distribuir revista com cenas libidinosas" na feira de livro.

No ano seguinte, o pastor voltou a ofender o influenciador em um vídeo, chamando ele de "lixo", "produtor de fake news" e que "pervertia crianças através de seus vídeos".

Malafaia fez os comentários após Neto participar de um debate junto com o ex-presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Luís Roberto Barroso, onde falou sobre a participação de jovens na política.

Com isso, o youtuber moveu a segunda judicial contra o pastor.