PUBLICIDADE
Topo

Roberta Miranda defende Anitta em treta com sertanejos: 'Inveja'

Daniel Palomares

De Splash, em São Paulo

03/06/2022 04h00

Pioneira como mulher no sertanejo, Roberta Miranda precisou enfrentar o machismo e o desprezo dos homens em um meio dominado por eles.

Tanta perseverança deu certo: lá se vão quase 40 anos de carreira, acumulando sucessos, uma centena de fã-clubes e milhões de fãs espalhados pelo Brasil que lhe renderam o título de "Rainha do Sertanejo".

Diante da polêmica envolvendo Zé Neto e Anitta na última semana, que levou a uma chuva de ofensas e julgamentos à cantora carioca e instaurou uma crise no sertanejo, Roberta é enfática: ela está com as mulheres.

Vou estar sempre de mãos dadas com ela. Por que criticar a Anitta? O corpo é dela, a vida é dela, ela faz tatuagem onde ela quiser.

dispara Roberta, em referência ao comentário de Zé Neto que deu início a toda a confusão

"A Anitta é muito gentil comigo. É uma pessoa que eu gosto e ponto final", avisa. "A inveja é que hoje ela é uma excelente marqueteira. Alguns machistas de merda querem que ela seja enterrada num buraco, mas ela sempre se recupera. Uma mulher de sucesso incomoda os homens, eles ficam acuados."

Vencendo o machismo

Iniciando sua carreira na década de 1980, Roberta encontrou um cenário muito diferente do que o que ajudou a construir. "Era 100 vezes pior quando comecei. Cada homem que me olhava com desdém, me chamava de 'paraíba' ou 'jacu', eu me provava pelo talento", relembra.

A cantora e compositora conta que era tratada de maneira machista por duplas masculinas da época e até por próprios músicos que contratava em sua banda. "Não abaixava a cabeça. Até hoje, ouço grandes artistas femininas dizendo que se a gente não se impor, os homens vão querer nos passar para trás", diz.

Acho que esse pensamento vem da insegurança deles. Lutei 25 anos sozinha para abrir esse espaço, para verem que a mulher é extraordinária.

Roberta se diz feliz em ver que as portas que abriu no passado serviram para que outras mulheres ganhassem o espaço que têm no sertanejo atual. "Não tem uma que não se inspire em mim ou não me agradeça. Fiz história como mulher no sertanejo, não tem como fugir."

Feminista

Roberta não concorda com as críticas que cantoras como Anitta, Luísa Sonza e Ludmilla recebem por cantarem músicas sobre sexo ou exaltando seu corpos. "Acho maravilhoso que elas falem de tudo. A mulher hoje é independente, mas o homem quer que ela dependa deles. Temos que ligar o botão do 'foda-se'. Nem para ter filhos precisamos mais dos homens", dispara.

Eu sou feminista. Se ser feminista é não deixar que a mulher apanhe ou permitir que ela se sobressaia em qualquer área, eu sou. Sou a favor da mulher.

Para o futuro, Roberta sonha com uma sociedade melhor, na qual mulheres não sejam mais julgadas e violentadas e principalmente que os homens sejam punidos por suas ações.

"Enquanto o homem achar que a mulher é um parquinho de diversão, ele vai bater, queimar, matar e ficar numa boa. Se tivesse castração química, duvido que aconteceriam esses crimes. A mulher seria respeitada. A lei ainda é fraca. A forma de lidar com esses canalhas precisa ser mais dura", conclui.