PUBLICIDADE
Topo

Por que Gusttavo Lima virou símbolo de crise que começou com Zé Neto

De Splash, em São Paulo

31/05/2022 04h00Atualizada em 31/05/2022 11h20

Uma fala do cantor Zé Neto, da dupla sertaneja com Cristiano, sobre a Lei Rouanet e Anitta, desencadeou uma grande discussão sobre o uso de dinheiro público para financiar shows. Um dos temas mais comentados dos últimos dias, o assunto chegou até ao sertanejo Gusttavo Lima, que diz estar com vontade de jogar a toalha. Mas por quê?

Na última quarta-feira (25), o MPRR (Ministério Público do Estado de Roraima) abriu uma investigação sobre a contratação de Gusttavo Lima na cidade de São Luiz (RR), com cachê fixado em R$ 800 mil.

Depois de essa história vir à tona, o envolvimento do cantor no debate a respeito do uso de dinheiro público só cresceu — e surgiu até outro cachê polêmico, de R$ 1,2 milhão, por exemplo.

Entenda por que Gusttavo Lima virou o símbolo da "crise" dos sertanejos se a história começou com um comentário de Zé Neto:

Como começou

A confusão começou após Zé Neto criticar Lei Rouanet e soltar uma indireta para Anitta.

Em show realizado no início de maio na cidade de Sorriso, no Mato Grosso, ele disse: "Nós somos artistas que não dependemos de Lei Rouanet. Nosso cachê quem paga é o povo. A gente não precisa fazer tatuagem no toba para mostrar se a gente está bem ou mal. A gente simplesmente vem aqui e canta, e o Brasil inteiro canta com a gente."

É sabido que Anitta tem uma tatuagem íntima na região do ânus — a cantora falou sobre o desenho no reality "Ilhados com Beats", e até postou um vídeo retocando a tattoo no OnlyFans — e por isso o nome dela foi associado ao discurso.

Depois de a fala ter repercutido muito nas redes sociais, o cantor da dupla com Cristiano disse que "não citou o nome de ninguém" e chegou até a se desculpar, classificando a manifestação como "infeliz".

Cachê de R$ 800 mil

Com a repercussão, muito começou a se comentar sobre o uso de verbas públicas de prefeituras com shows de cantores sertanejos, até que, em 25 de maio, o MPRR (Ministério Público do Estado de Roraima) abriu investigação sobre a contratação do cantor Gusttavo Lima na cidade de São Luiz (RR), com cachê fixado em R$ 800 mil.

A população do município é estimada em 8.232 pessoas segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Dividindo o cachê acordado pelo número de moradores de São Luiz, cada cidadão estaria pagando cerca de R$ 97 pelo show.

Em contato com Splash, a equipe jurídica do cantor enviou uma nota afirmando que o valor do cachê dele é "fixado obedecendo critérios internos, baseados no cenário nacional, tais como: logística (transporte aéreo, transporte rodoviário, etc.), tipo do evento (show privado ou público), bem como os custos e despesas operacionais da empresa para realização do show artístico, dentre outros fatores."

Outro show, mais R$ 1,2 milhão

Gusttavo Lima teve um show contratado no valor de R$ 1,2 milhão pela prefeitura de Conceição do Mato Dentro (MG), a cerca de 164 km da capital Belo Horizonte. O contrato, assinado em 11 de abril, faz parte da programação de uma festividade na cidade e virou alvo de pedido de investigação no MPMG (Ministério Público de Minas Gerais).

Dias após a divulgação do valor pago pelo show, a prefeitura da cidade cancelou a apresentação e explicou que o motivo seria a tentativa de "guerra política e partidária que não tem nenhuma ligação com o município e nem tampouco com a tradicional festa" do Jubileu do Senhor Bom Jesus de Matosinhos.

O contrato estabelece uma multa de 50% do valor total, caso a apresentação fosse adiada ou cancelada. No ato de assinatura do documento, Gusttavo Lima já recebeu R$ 600 mil, sendo assim não precisará devolver o dinheiro recebido. Apesar disso, a prefeitura negou o pagamento adiantado de parte do valor acertado.

"Caixa de Pandora"

Segundo o colunista de Splash Fefito, a fala de Zé Neto abriu uma "Caixa de Pandora": "De tanto falar da Lei Rouanet, agora revelou-se que boa parte dos shows realizados pelo Brasil teriam sido pagos com dinheiro público, muitas vezes sem licitação".

O jornalista ainda reportou que o cantor tem lidado com uma crise nos bastidores, com os colegas irritados com ele.