PUBLICIDADE
Topo

Cannes: mulheres levam granadas de fumaça para protesto em tapete vermelho

Mulheres levam granadas para protesto contra violência doméstica no Festival de Cannes 2022 - Andreas Rentz/Getty Images
Mulheres levam granadas para protesto contra violência doméstica no Festival de Cannes 2022 Imagem: Andreas Rentz/Getty Images

De Splash, em São Paulo

22/05/2022 12h41

Mais um protesto tomou conta de um tapete vermelho no Festival de Cannes.

Dois dias depois de uma mulher surgir nua para protestar contra a violência sofrida por mulheres na Ucrânia, um grupo subiu as escadarias para trazer à tona o número de mortes que resultam de violência doméstica.

Noo tapete vermelho para o lançamento do filme "Holy Spider", que está na competição pela Palma de Ouro, um grupo de mulheres, todas vestidas de preto, levou um banner com vários nomes, exibindo o cartaz nas escadarias.

As mulheres levaram ainda granadas de fumaça, para chamarem a atenção dos presentes. No banner estavam escritos nomes de várias mulheres. Segundo informa o Deadline, são mulheres mortas por homens na França em casos de violência doméstica.

Um vídeo publicado no Twitter mostra que homens da equipe de segurança começam a cercar as mulheres, mas evitam abordá-las fisicamente.

O filme "Holy Spider", cuja estreia foi escolhida para ser palco do protesto, é descrito como um suspense feminista.

Do diretor e roteirista iraniano-dinamarquês Ali Abbasi, o longa-metragem acompanha uma jornalista que viaja até a cidade de Meshed para investigar um assassino em série cujas vítimas são prostitutas.

À medida em que se aproxima dos crimes, a oportunidade de alcançá-lo torna-se mais difícil quando o assassino passa a ser visto por muitos como um herói. Baseado na história verídica de Saeed Hanaei, que se enxergava como um "missionário de Deus" e matou 16 mulheres entre 2000 e 2001.

Na sexta-feira, uma mulher invadiu o tapete vermelho para protestar contra a guerra na Ucrânia. Ela vestia somente uma calcinha e tinha o corpo pintado de vermelho e azul. Nos seios e na barriga, escreveu a frase "parem de nos estuprar".

Na ocasião, ela foi retirada do local por seguranças.