PUBLICIDADE
Topo

'Depois que me batia, ajoelhava e pedia desculpa', diz Gretchen sobre ex

Gretchen diz ter sofrido violência doméstica em um dos seus cinco casamentos - Reprodução/Rádio Metropolitana
Gretchen diz ter sofrido violência doméstica em um dos seus cinco casamentos Imagem: Reprodução/Rádio Metropolitana

Colaboração para Splash, em São Paulo

12/05/2022 22h57

Casada há quase dois anos com Esdras de Souza, a cantora Gretchen, de 62 anos, relatou que tem ajudado mulheres a se recuperarem de casos de violência doméstica por também ter sido vítima em um de seus cinco casamentos.

"Eu ajudo muitas mulheres com esse assunto. Violência doméstica não acontece só em lugares pobres, nos lugares simples. A violência doméstica acontece em qualquer lugar, com artista, gente rica. Todos os lugares e, hoje em dia, acontece mesmo", contou Gretchen, em entrevista à rádio Metropolitana.

A artista classificou um ex-marido, sem mencionar o nome, como um 'sociopata' por obrigá-la a se vestir apenas baseado no seu gosto e até andar escoltada na época em que frequentava a faculdade.

Não é que era machista, na verdade, ele era sociopata. Tinha que ser do jeito que ele queria, com a roupa que ele queria, não podia sair de casa de jeito nenhum. Quando ia para a faculdade, eu tinha uma escolta que me levava e buscava. Era desse jeito.
Gretchen

Ela ainda detalhou que após as agressões ouvia o ex pedir perdão de joelhos. "Isso é uma doença. Depois que eu apanhava, ele ajoelhava, pedia desculpas e até dizia que iria morrer", disse ela, e até confessou: "Eu pensava: 'Então morre, por favor'".

"Meu lado mulher não abro mão"

Ao falar de seu casamento com Esdras de Souza, Gretchen destacou que costuma não deixar o marido se envolver nas tarefas domésticas da casa por não abrir mão se seu 'lado mulher'. Ela contou que foi criada assim por sua mãe.

Meu lado mulher que eu não abro mão mesmo. Primeiro, que eu fui criada por uma mãe submissa, que sempre fazia tudo para o meu pai. Ela acordava meia-noite para pôr a comida dele quente. Então, a gente aprendeu assim de ele levantar de manhã e o café da manhã já estar na mesa. Ele quer pegar o prato para lavar a louça e eu: 'De jeito nenhum. Vai tocar o seu saxofone. Vai fazer os seus arranjos que quem cuida da casa sou eu'. Isso é uma coisa minha. Quando ele sai do banho, a roupa dele já está na cama. É um jeito meu e das minhas irmãs porque fomos criadas assim.
Gretchen

Como denunciar violência doméstica

Em flagrantes de violência doméstica, ou seja, quando alguém está presenciando esse tipo de agressão, a Polícia Militar deve ser acionada pelo telefone 190.

O Ligue 180 é o canal criado para mulheres que estão passando por situações de violência. A Central de Atendimento à Mulher funciona em todo o país e também no exterior, 24 horas por dia. A ligação é gratuita. O Ligue 180 recebe denúncias, dá orientação de especialistas e encaminhamento para serviços de proteção e auxílio psicológico. Também é possível acionar esse serviço pelo Whatsapp. Neste caso, o telefone é (61) 99656-5008.

Os crimes de violência doméstica podem ser registrados em qualquer delegacia, caso não haja uma Delegacia da Mulher próxima à vítima. Em casos de risco à vida da mulher ou de seus familiares, uma medida protetiva pode ser solicitada pelo delegado de polícia, no momento do registro de ocorrência, ou diretamente à Justiça pela vítima ou sua advogada.

A vítima também pode buscar apoio nos núcleos de Atendimento à Mulher nas Defensorias Públicas, Centros de Referência em Assistência Social, Centros de Referência de Assistência em Saúde ou nas Casas da Mulher Brasileira. A unidade mais próxima da vítima pode ser localizada no site do governo de cada estado.