PUBLICIDADE
Topo

Lulu Santos: 'A gente precisa passar esse estágio e partir pro 'lambeijo''

Lulu Santos com Mike Tulio e Guto Oliveira, do OUTROEU - Lucas Vermellio/Divulgação
Lulu Santos com Mike Tulio e Guto Oliveira, do OUTROEU Imagem: Lucas Vermellio/Divulgação

Renata Nogueira

De Splash, do UOL

15/04/2022 04h00

Lulu Santos definitivamente não é o último romântico, como ele mesmo desconfiava quando lançava a música homônima. Quase 40 anos depois, o cantor se juntou ao duo OUTROEU na inédita "Praia", onde o trio canta "em qualquer idade tudo é um sonho" e que "não é vaidade supor que o amor dure uma eternidade", trechos sugeridos pelo próprio Lulu.

"Sou de outra época, mas sou um viajante no tempo. Eu acompanho o tempo e ouço essas canções docemente românticas", conta Lulu em entrevista a Splash, citando outros jovens artistas que gravaram com ele recentemente como o trio Melim e o cantor Vitor Kley.

No ano em que seu primeiro disco solo —"Tempos Modernos"— faz 40 anos, Lulu celebra ter "caído de paraquedas" no novo single do OUTROEU. "A gente está precisando de afeto. As pessoas, todos nós. Um afago, um abraço, um peito amigo. É isso que a gente está querendo da vida. A humanidade passou dois para três anos muito difíceis", diz sobre o teor da canção e o momento em que ela chega para o público.

O melhor que a gente pode fazer é celebrar o amor entre nós, os sobreviventes. Lulu Santos

O convite para "Praia" partiu de Guto, que mandou uma mensagem despretensiosa para o ídolo no Instagram. Ao receber o sim de Lulu, em formato de áudio, compartilhou com seu parceiro Mike Túlio. "Chora aí".

O que o duo não esperava era um elogio do cantor a "Oceana", música que eles gravaram com o Melim e que Lulu confessa que gostaria de ter feito. "Foi muito legal o jeito que ele falou, muito lindo. Ficamos lisonjeados porque a gente também é muito influenciado por ele", conta Guto.

Lulu já vinha de uma sequência de canções essencialmente românticas, especialmente influenciado pelo marido, Clebson. Em 2019, por exemplo, Lulu lançou um álbum inteiro ("Pra Sempre") dedicado às fases da paixão. O casal completou quatro anos juntos nesta semana.

Com a pandemia, eles passaram a dividir o mesmo teto, já que antes ficavam na ponte Rio de Janeiro - Belo Horizonte. "Quem não estava junto sofreu muita solidão. Mesmo quem estava junto, pensa se eu ainda estivesse na situação de estar em cidades separadas", reflete Lulu.

A gente precisa passar esse estágio e partir para o abraço, pro 'lambeijo' Lulu Santos

Novos românticos

outroeu - Lucas Vermellio/Divulgação - Lucas Vermellio/Divulgação
OUTROEU e Lulu Santos gravaram juntos a canção 'Praia'
Imagem: Lucas Vermellio/Divulgação

O OUTROEU ficou nacionalmente conhecido em 2016, quando participou do Superstar. Com influências folk, os amigos de Nova Iguaçu se identificaram desde o primeiro encontro.

"Desde pequeno a gente ouve muita música romântica. Quando a gente se conheceu a gente foi reparando que tinham várias coisas que a gente curtia que outras pessoas não curtiam. O lado romântico."

Considerado o rei do pop brasileiro, Lulu se encantou pela identidade forte e a brasilidade da nova geração. "Tem uma coisa interessante sobre o OUTROEU inserido nessa geração mais jovem, sobretudo eles, você identifica traços do que é uma continuidade do pop brasileiro. Tem os violões, um frescor natural, a forma de eles se colocarem, de se apresentarem. Uma coisa muito despretensiosa e desarmada e ao mesmo tempo muito bem elaborada, muito bem feita."

Ele lembra que suas próprias músicas ganharam novas roupagens nas mãos de uma geração que cresceu ouvindo Lulu Santos na abertura de "Malhação" ("Assim Caminha a Humanidade" foi trilha da novela por sete anos) e assistindo o cantor como jurado no "The Voice Brasil", posto que ocupa na TV há dez anos.

"'Apenas Mais Uma de Amor', que é o meu maior carro-chefe atualmente, foi regravada pelo NX Zero e vários outros artistas. É uma canção que embora eu tenha feito em 1992 ela existiu a partir do 'Acústico' de 2000. Foi em 2000 que a canção decolou", recorda Lulu, que diz ainda não se considerar um "representante da década de 1980".

"Meus maiores números vieram da década de 1990", afirma. Lulu, aliás, não pretende fazer uma comemoração formal dos 40 anos de seu primeiro disco.

"Esse ano faz 40 anos que saiu 'Tempos Modernos'. Só que o meu primeiro single saiu em 1981. Portanto em 2021, ano passado, fez 40 anos do meu primeiro single. Ano que vem vai fazer 40 anos do meu segundo álbum, 'O Ritmo do Momento'. E na verdade a minha carreira fonográfica começou em 1976 com o lançamento do compacto do Vímana. E desde 1972 eu estou na ativa. Então tem muitos aniversários."

Para Lulu pós-pandêmico, o ideal é celebrar todos os dias, "Nos próximos anos tudo vai fazer 40 anos. Então vamos dar isso por celebrado e passar a celebrar o dia a dia, a vida, o amor de todo dia. Vamos passar a celebrar o cotidiano."