PUBLICIDADE
Topo

Boris Casoy detona 'neutralidade' de Bolsonaro na guerra: 'Posição covarde'

Boris Casoy criticou a neutralidade do Brasil, defendida por Jair Bolsonaro, na guerra entre a Rússia e a Ucrânia - Divulgação
Boris Casoy criticou a neutralidade do Brasil, defendida por Jair Bolsonaro, na guerra entre a Rússia e a Ucrânia Imagem: Divulgação

Colaboração para Splash, em Maceió

01/03/2022 13h34

O apresentador Boris Casoy criticou a neutralidade do Brasil na guerra entre a Rússia e a Ucrânia, que foi defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), sob a justificativa de que o país possui relações comerciais com ambas as nações em confronto.

Durante fala no quadro "Liberdade de Opinião", da CNN Brasil, Casoy repercutiu a declaração de Bolsonaro de que o Brasil não tomará partido por nenhum dos lados, pois é preferível manter a "neutralidade", haja vista que "todos têm a perder com a guerra".

Para o comentarista, a estratégia adotada pelo mandatário brasileiro é uma "posição covarde", que difere da defendida anteriormente pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil, no Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas), na última sexta-feira (25), quando adotou postura pró-Ucrânia, ao defender uma resposta "rápida e com uso da força" contra Moscou, pois "uma linha foi cruzada e este Conselho não pode ficar em silêncio".

Na CNN, Casoy apontou que "o presidente Bolsonaro colocou uma posição diferente do que o Brasil tinha colocado no Conselho de Segurança da ONU".

"Veja o que o embaixador [Ronaldo] Costa Filho disse [na ocasião]: 'O Conselho de Segurança deve reagir de forma rápida, com uso da força, contra a integridade territorial de um Estado-membro, uma linha foi cruzada e este Conselho não pode ficar em silêncio'. Quer dizer, isto é uma nítida condenação [da guerra]. Agora vem o presidente e fala em neutralidade. O Brasil é um país enorme e não pode adotar uma neutralidade dessas quando um estado invade o outro, uma decisão unilateral de guerra sem que haja provocações, nem razões... São razões de um futuro que [Vladimir] Putin supõe que possa ocorrer com a integração da Ucrânia à Otan", declarou o comentarista.

Segundo Boris Casoy, Jair Bolsonaro "às vezes fala e depois pensa" e ressaltou que, embora o chefe do Executivo nacional tema sofrer uma punição da Rússia caso imponha sanções à Moscou ou mantenha postura pró-Ucrânia, o presidente precisa lembrar que as relações comerciais não são unilaterais, ou seja, da mesma forma que o Brasil necessita dos insumos agrícolas fornecidos pela Rússia, eles também precisam de compradores.

"O Brasil teme que a Rússia, um de nossos principais fornecedores de insumos agrícolas, fertilizantes, reduza, corte de alguma maneira, puna o Brasil por uma posição pró-Ucrânia. E daí? Essa punição é viável? É possível? É preciso lembrar o presidente Bolsonaro que a Rússia também precisa vender. Então o Brasil, infelizmente, adotou uma posição neutra, que eu chamo de uma posição covarde, num conflito gravíssimo, que dita regra de comportamentos para o futuro, quando o Brasil deveria condenar de forma veemente a Rússia pela guerra que desenvolve contra um país militarmente muito fraco", completou.

Embora o presidente Jair Bolsonaro tenha defendido uma postura de neutralidade do Brasil na guerra entre a Rússia e a Ucrânia, ontem o país, representado pelo embaixador Ronaldo Costa Filho, durante a Assembleia-Geral da ONU, voltou a condenar a invasão do território ucraniano pelas forças de Vladimir Putin, ao mesmo tempo em que se mostrou contra o envio de armas para o país europeu, pelo risco de haver escalada no conflito.

Conforme o colunista do UOL, Jamil Chade, hoje embaixadores, ministros e diplomatas de diversos países promoveram um boicote na ONU contra o governo da Rússia, quando o chanceler daquele país, Sergey Lavrov, tomou a palavra para se dirigir ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, mas o Brasil adotou postura contrária e não apoiou o boicote.

Os conflitos entre a Rússia e a Ucrânia tendem a se acirrar ainda mais e Vladimir Putin prepara um assalto mais destrutivo após cometer uma série de erros desde o início da guerra.