PUBLICIDADE
Topo

Fafá de Belém relembra uso de drogas: 'Olhei no espelho e não era eu'

Fafá de Belém segurando rosas - Instagram
Fafá de Belém segurando rosas Imagem: Instagram

Colaboração para Splash, em São Paulo

30/01/2022 12h21Atualizada em 30/01/2022 12h21

Técnica do "The Voice +", Fafá de Belém, de 65 anos, abriu sua intimidade em relação ao corpo e ao uso de drogas.

"O final da década de 1960 e começo dos anos 1970 foi um período lisérgico. As drogas eram usadas para abrir as portas da percepção. A coisa mais delicada é saber o tempo de dizer tchau. Você jamais pode não conseguir viver sem uma droga", iniciou ela, em entrevista ao jornal O Globo.

"Nos anos 1980, em relação à cocaína, um dia me olhei no espelho e não era eu. Joguei fora o que tinha em casa e destruí minha agenda de telefones. Passei dez dias trancada, com o fio do telefone fora da tomada. Nunca tomei MD. A gente vai desenvolvendo os baratos da vida de outras formas", complementou ela.

Em relação ao seu corpo, a cantora não demonstra inseguranças. "Eu me entendi com meu corpo aos 12 anos, quando assisti a um filme com a Sophia Loren. Ao vê-la, pensei: 'Yes, I can'. Pedi para minha mãe um vestido igual ao dela. Quando vim para o Sudeste, estava na contramão de tudo. O padrão era nórdico, e eu sou do Norte, colorida, tenho cintura, peito e bunda", analisou.

"Sempre gostei dos meus peitos, de usar espartilhos. Peças decotadas me favorecem. No começo, eram desenhadas pela minha mãe, que costurava muito bem. Recentemente, ao tomar a terceira dose da vacina da Covid, em Portugal, fui abordada por mulheres que me relataram histórias de como as mães tiveram coragem de se separar me vendo na TV. Uma delas costumava falar: 'Mãe, olha a Fafá. Ela não é magra, é feliz e não precisa de marido'", relatou a artista.