PUBLICIDADE
Topo

Supla: 'se eu não fosse influencer, talvez tivesse morrido na praia'

Supla cresce como influenciador na pandemia e já lucra com isso - Reprodução/Instagram
Supla cresce como influenciador na pandemia e já lucra com isso Imagem: Reprodução/Instagram

Colaboração para Splash, de Pernambuco

23/01/2022 15h17Atualizada em 23/01/2022 15h34

O cantor Supla, 55 anos, exaltou seu novo trabalho como influenciador e o quanto isso fez a diferença na sua carreira.

"Tive sorte, porque viralizou um vídeo em que eu dava um golpe na cara de um repórter [numa brincadeira]. Fui de 100 mil e poucos seguidores antes da pandemia para quase 800 mil. Não fosse isso, talvez eu tivesse morrido na praia, como muitos artistas", contou o cantor em entrevista a Veja São Paulo.

Consegui me reinventar. A situação estava difícil, a gente ficou dois anos sem poder fazer shows e agora tudo foi cancelado de novo. Foi muito lucrativa minha reinvenção. Passei a ser influenciador, as pessoas me pedem para fazer propaganda, várias marcas, um monte de coisa", explicou.

O ator esclareceu ainda, na entrevista, boatos sobre uma suposta ingressão na política e confessou que tem conversado com gente do PT (Partido dos Trabalhadores). "Existem chances, mas são de média a baixa. Seria muito legal poder ajudar mais as pessoas, mas tenho medo de que prejudique a carreira".

Supla comentou ainda sobre o BBB e relembrou sua participação no "Casa dos Artistas", reality de confinamento produzido pelo SBT.

"Hoje, as pessoas estão tão desesperadas, então, fosse BBB ou qualquer outra coisa que me permitisse conseguir vários contratos, tipo o que aconteceu com Gil do Vigor ou Juliette, eu cortaria um dedo e iria, sem dúvida. Fiz, sou grato ao SBT. Não vejo, mas respeito demais. Teve muita gente de talento descoberta pelo BBB, o Jean (Wyllys), o próprio Gil do Vigor é articulado pra caramba também", contou.