PUBLICIDADE
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

BBB 22: É preciso naturalizar e normalizar corpos trans

Linn da Quebrada estará no BBB - Reprodução/Instagram
Linn da Quebrada estará no BBB Imagem: Reprodução/Instagram

Gabryella Garcia

De Splash, em São Paulo

15/01/2022 04h00

Prazer, se você ainda não me conhece, me chamo Gabryella, sou jornalista e uma mulher trans. Nesse espaço vou falar sobre a importância da representatividade de termos Linn da Quebrada no BBB 22, uma bixa preta travesti. Para além da representatividade, também é importante nos lembrarmos do lugar de fala, que é um conceito que respeita a história e vivência das pessoas para falar de determinado tema, dando assim, visibilidade. Embora representatividade e lugar de fala não sejam a mesma coisa, elas andam juntas.

E, por andarem juntas, nada mais natural - e correto - do que uma pessoa trans falando sobre essa representatividade. Eu, particularmente, achava óbvia a participação de pessoas trans nesta edição do BBB - depois de um hiato de 11 anos desde Ariadna. Diversidade e inclusão são as palavras da "moda", e é claro que um dos programas de maior audiência do país, se não o maior, iria surfar nessa onda também.

A cartilha de se colocar ao lado - ou ao menos mostrar preocupação com o tema - de minorias e grupos historicamente marginalizados está sendo seguida à risca pela produção do BBB já há algum tempo. Vamos fazer um rápido exercício de memória: em 2020, o programa foi pautado pelo protagonismo feminino; em 2021, o tema da vez foi o racismo e, em 2022, adivinhem só, o momento de quem chegou? Isso mesmo, o de pessoas trans, que apesar de estarem conquistando cada vez mais espaço em posições de protagonismo e destaque, ainda fazem parte do grupo mais marginalizado e que mais têm seus direitos negados em toda a sociedade.

Em 2011, Ariadna Arantes foi eliminada logo na primeira semana do BBB. Alguém tem alguma dúvida do quanto isso diz sobre o preconceito e a negação da existência de corpos trans? O mundo mudou bastante e evoluímos desde lá, é verdade. Hoje, temos parlamentares trans, músicos, jornalistas, modelos e até mesmo uma ganhadora do Globo de Ouro, além da própria Linn. Desde a participação da Ariadna, também conquistamos alguns direitos por lei, como a retificação de nome e gênero em cartório, uso de nome social respeitado e, pasmem, o direito de usar o banheiro de acordo com o gênero com que se identifica. Pois é, o simples direito de usar o banheiro é uma grande conquista. Então, é evidente que evoluímos ao longo desses 11 anos, mas a realidade do dia a dia ainda é bem diferente dessa teoria, portanto, temos um longo caminho pela frente.

Gabryella Garcia é jornalista e trans - Acervo Pessoal - Acervo Pessoal
Gabryella Garcia é jornalista
Imagem: Acervo Pessoal

Quando Ariadna participou do BBB ainda estava em vigor na medicina a CID-10, e sabe o que ela dizia? Que a transgeneridade era um transtorno mental, ou seja, uma doença. Apenas no dia 1º deste ano, sim, 2022, a Organização Mundial de Saúde (OMS) colocou a CID-11 em vigor, classificando a transgeneridade como uma condição relacionada à saúde sexual.

Mas agora vamos à representatividade. É extremamente importante que corpos trans ocupem todos os espaços, inclusive o da casa mais vigiada do país. A participação de uma pessoa transgênera nesta edição do BBB ajuda a naturalizar nossa existência e nossos corpos, porque sim. Assim como a existência de uma pessoa cisgênera, a de uma pessoa trans também é extremamente normal e natural.

Essa participação é simbólica e importante para diminuir o estigma sobre pessoas trans e travestis. Me lembro de, recentemente, ter feito uma entrevista com a advogada Marcia Rocha, quando ela se tornou a primeira travesti a ser eleita para o conselho da Ordem dos Advogados do Brasil, em São Paulo (OAB-SP). Ela me disse que ocupar aquele espaço era "importante para que as pessoas compreendam que uma pessoa trans pode ser competente e trabalhar, ser honesta e produtiva". Pois bem, a participação de uma pessoa trans no BBB tem exatamente esse mesmo significado de naturalização.

Uma pessoa trans pode amar, pode rir, pode chorar e também pode se divertir.

Além disso, a participação pode trazer luz e fomentar o debate para as diversas privações e violências que enfrentamos em nosso dia a dia, simplesmente para existir. Pessoas trans não lutam pelo direito de amar, elas lutam pelo direito de existir, de trabalhar, de comer e de ter acesso à saúde e educação, de sobreviver. Um levantamento feito pela Transgender Europe (TGEU), em novembro de 2021, mostrou que o Brasil é responsável por 40% dos assassinatos de pessoas trans em todo o mundo, e é exatamente por isso que o debate e a representatividade são importantes e necessários.

Faltam políticas públicas, faltam dados (alô, IBGE!), falta humanização, falta praticamente tudo para pessoas trans no Brasil. Então, sim, é extremamente importante. Essa participação vai fazer quem assiste ao programa entender essa realidade, porque a origem do preconceito, vem justamente da falta de conhecimento. Desde muito cedo, somos ensinadas a ter medo de travestis, eu mesma tinha, e crescemos alimentando essa visão que nos é imposta.

Faça um pequeno exercício de reflexão e pense quantas pessoas trans você conhece, quantas pessoas trans convivem com você no ambiente de trabalho, quantas frequentam os mesmos lugares que você?

Pois é, provavelmente a sua resposta foi nenhuma. Mas não é porque não existimos, e sim porque nossos acessos e direitos são constantemente negados. Se você não conhece, você não desconstrói essa imagem distorcida.

BBB 22: Veja todos os participantes do reality da Globo

Também desejo que essa pessoa esteja muito bem preparada psicologicamente para entrar no programa, porque diante de tudo isso que eu disse acima, uma coisa fica evidente: as pessoas não estão preparadas para amar uma pessoa trans, e sim para odiar. Como já vimos episódios de racismo e machismo em edições anteriores, inevitavelmente, e infelizmente, essa pessoa também irá sofrer com episódios de transfobia. Eu, inclusive, já adianto aqui qual vai ser a desculpa utilizada pelo autor da violência. "Eu não tenho nada contra, tenho até amigos gays". O detalhe é que ter um amigo gay não te dá uma carteirinha de "não sou transfóbico", até porque, identidade de gênero e orientação sexual são coisas completamente diferentes e independentes.

Outra preocupação que tenho diante de eventuais episódios de transfobia é em relação à figura do aliado da luta trans. Esse aliado é uma pessoa cisgênera, que não passa pelos não acessos e preconceitos estruturais que uma pessoa trans enfrenta diariamente, mas se coloca ao lado da luta e da causa. Ele tem consciência de seus privilégios. Essa figura tem como "missão" ser uma espécie de ponte para que pessoas trans possam ser e estar, ocupando lugares que sempre lhe foram negados. O grande problema é quando esse aliado toma para si o protagonismo da causa, se apropriando de vivências que apenas escutou falar, e se coloca como representante e porta-voz do grupo que sequer faz parte.

E vejam só como a produção já pensou em absolutamente tudo. Sabem que será o porta-voz e aliado nesta edição? Tadeu Schimidt. Vocês acham que foi simplesmente uma coincidência que apenas dois dias antes do anúncio de uma participante trans no BBB toda a mídia tenha dado tanto destaque para o fato de a filha do apresentador do programa se identificar como queer? Após o primeiro episódio de transfobia no programa, o discurso de Tadeu será de que "temos que amar todas as pessoas, todas as pessoas merecem respeito, identidade de gênero não define caráter" e coisas do tipo. Tudo que será dito é verdade e eu concordo, e também acho extremamente importante e necessária a figura do aliado.

O problema será ele tomar o protagonismo e se tornar o porta-voz da luta, sem sequer ter essa vivência. Ou vocês já se esqueceram do antigo apresentador com seu discurso antiracista e porta-voz de uma minoria, mas que três anos antes criticou o protesto antiracista de jogadores da NFL, nos Estados Unidos, com o famoso "evento esportivo não é lugar de manifestação política"? Sobre isso apenas digo que a pura e simples existência de um corpo trans, por si só, já é um ato político, seja em evento esportivo, no BBB ou qualquer outro lugar.

Para não me alongar ainda mais, outro medo que tenho e me faz desejar um bom preparo psicológico para a participante, é que a mão nunca tem o mesmo peso para minorias e grupos privilegiados. Após o episódio de racismo da última edição, João Luiz não teve um crescimento absurdo ou fechou contratos com emissoras, enquanto seu agressor foi contemplado com o prêmio de artista do ano. O que quero dizer com isso, é que qualquer eventual erro de um participante trans será apontado com muito mais "prazer" e até mesmo muito mais ódio. Não acontecerão as famosas "passadas de pano" que beneficiam grupos já privilegiados. A mão vai pesar muito mais, como sempre acontece, contra minorias.

Por fim, tenho um pedido para pessoas cisgêneras. Não tenham esse participante como única referência de pessoa trans que existe. Pessoas (trans e cis) são diversas, são plurais e são diferentes. Não nos limitem ou coloquem em caixinhas. Consumam e conheçam pessoas trans! Temos MJ Rodriguez, que é uma ganhadora do Globo de Ouro e é trans, Linn da Quebrada, Liniker, Anne Mota, Erika Hilton, Duda Salabert Leona Jhovs, Gautier Lee, Jupitter, Érica Malunguinho, Alina D'Urso, Maite Schneider, Caê Vasconcelos, Lino Arruda, Glamour Garcia e tantas outras pessoas trans brasileiras produzindo conteúdos de qualidade para serem conhecidas.

O fato é que levantar o debate de gênero dá engajamento e audiência, nem que seja pelo hate, e é exatamente isso que o BBB está fazendo. Sendo genuíno ou não (tenho minha opinião bem clara de que não é), o fato é que representatividade importa, sim, e nós (pessoas trans) vamos ocupar todos os espaços e conquistar cada vez mais protagonismo!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL