PUBLICIDADE
Topo

Ele foi selecionado para o 'BBB', desistiu no hotel e provocou um caos

Felipe Pinheiro

De Splash, em São Paulo

10/01/2022 04h00

O pernambucano Rogério Alves, 52 anos, passou por todas as fases para entrar no "BBB", mas pouco antes da estreia, em 2015, abriu mão de entrar na casa mais vigiada do país. O fotógrafo havia sido selecionado para o reality show e estava no hotel, no pré-confinamento, quando anunciou à produção que não iria mais participar do programa. A uma semana da estreia do "BBB 22", ele lembra os momentos de tensão que viveu.

Provocou um grande alvoroço na minha vida — e na da produção.

"O tanto de pessoas que entenderam a minha escolha, como de muitos que não aceitaram. Como alguém poderia abrir mão do que, a priori, parecia ser uma grande oportunidade? Se eu me arrependo de não ter participado? No fundo, no fundo, sim, porque hoje eu poderia ser rico e famoso. Porém, eu aceito que foi a escolha possível que fiz na época e disso eu não me arrependo", afirma.

Rogério foi encontrado por um "olheiro", como são chamados os produtores da Globo que escolhem perfis interessantes para o reality show. Ou seja, ele não se inscreveu para o programa, mas teve de passar por outras fases do processo seletivo. O fotógrafo lembra que tentaram convencê-lo a permanecer no programa, mas ele já tinha tomado a sua decisão.

"Tentaram [convencê-lo para não desistir], foi bem intensa a prosa, mas eu estava muito determinado", diz. "Queriam que eu continuasse porque me dei bem no jogo de câmeras e entrevistas. Era um cara diferenciado, vi habilidades que fariam a diferença no jogo", explica.

Lamentaram muito a minha decisão.

A Globo não esperava a desistência de um participante àquela altura do campeonato. As chamadas dos participantes já eram veiculadas na programação e a produção substituiu Rogério pelo teólogo Marco Marcon, que entrou no "BBB 15" sem passar pelo hotel e com informações privilegiadas.

O pernambucano Rogério Alves ao ser anunciado como um dos participantes do 'BBB 15' - Reprodução/Globo - Reprodução/Globo
O pernambucano Rogério Alves ao ser anunciado como um dos participantes do 'BBB 15'
Imagem: Reprodução/Globo

Por que Rogério desistiu do "BBB"?

Eu tinha certeza que iria mudar completamente a minha vida e isso me deu muito medo.

Depois de cinco dias no hotel, Rogério começou a repensar se deveria realmente encarar o reality show que já teve efeitos desastrosos na vida de alguns ex-participantes, como Karol Conká no ano passado. Além do medo da exposição, caiu a ficha de que ele teria dificuldades com a alimentação.

"Percebi o quanto eu não tinha autonomia alimentar para me virar sozinho pois na época eu não sabia cozinhar. Não só por ser vegano. Sabia que não teria tratamento diferenciado para as minhas escolhas alimentares no programa. Foi quando eu resolvi desistir de participar", afirma.

"Foi como uma morte súbita"

Rogério Alves compara o confinamento no hotel antes do 'BBB' a uma morte-súbita. - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Rogério Alves compara o confinamento no hotel antes do 'BBB' a uma morte-súbita.
Imagem: Reprodução/Instagram

Há vinte anos, o ritual para a estreia do "BBB" é praticamente o mesmo. Os participantes selecionados vão para o hotel e lá começam a entender na pele o que significa ficar confinado. Eles são trancados em um quarto, sem acesso a TV e celular, por exemplo. O único contato externo possível é com a produção. É como uma sala de espera para o programa.

Para Rogério, passar pelo hotel foi como "morrer". "Você está na normalidade da sua vida e, de repente, preso dentro de um confortável hotel, de frente para o mar, com todas as suas necessidades alimentícias, físicas e emocionais sendo atendidas com grande eficiência, porém, sem acesso a relógio, notícias, televisão, celular e principalmente às pessoas (conhecidas ou não)".

"Falar do que vivi no confinamento que antecede o 'BBB' é uma coisa muito emocionante. Posso comparar essa experiência a tipo de 'morte-súbita'".

Rogério não tinha para onde correr. Era ele com ele mesmo o tempo inteiro. Com os seus pensamentos, expectativas e os próprios fantasmas. "A princípio foi uma coisa agoniante, mesmo com o amparo da produção do programa, sempre muito atenciosa. Aquele começo foi assustador".

A rotina no hotel

Rogério permaneceu nove dias trancado no hotel. Ele saiu às vésperas da estreia do "BBB 15". No período hospedado, encontrou formas para sobreviver à "prisão de luxo" e se preparou para as provas de resistência que encontraria no reality show.

"Como eu me considero uma pessoa que se adapta rapidamente às adversidades da vida, tratei de afastar os móveis do quarto para ter mais espaço e criei uma rotina de leitura, movimentação — dança, alongamento e ioga — , exercícios estáticos de resistência, pois eu sabia que iria precisar de muito controle físico no programa", afirma.

Segundo o fotógrafo, dois hábitos o ajudaram muito nesta etapa. "Beber água, mas muita água, para me ajudar a manter o controle emocional, e a meditação, que me ajudava na visualização dos dias que viriam pela frente", diz.

Embora não tenha participado do "BBB", Rogério sentiu um pouco da força do programa em sua vida. "Deixo a minha grande satisfação de poder abrir a boca e dizer que um dia, eu já fui capa do jornal Sensacionalista, quando fui comparado a mistura de Ghandi com Tom Zé — na época eu estava careca porque tinha estreado uma peça como eremita aqui no Recife".

Hoje carrego comigo a grande experiência de ser um ex-quase-futuro-bbb, e isso me rende, ainda, muitos momentos de diversão.