PUBLICIDADE
Topo

Opinião: Mila Moreira abriu portas para Camila Queiroz, Agatha, Júlia Byrro

Colaboração para Splash, em Alagoas

07/12/2021 14h04Atualizada em 07/12/2021 15h25

Mila Moreira, que morreu ontem (6) aos 75 anos, foi pioneira na transição de modelos para a TV brasileira. A atriz foi responsável por abrir o caminho para que surgissem outros nomes famosos da atual geração da teledramaturgia brasileira, a exemplo de Camila Queiroz, Agatha Moreira e Júlia Byrro, segundo a apresentadora do "Splash Vê TV" de hoje, Aline Ramos.

É curioso pensar que a Mila também abriu portas para nomes como Agatha Moreira, Camila Queiroz e Júlia Byrro, que estavam em 'Verdades Secretas 2'. Três modelos que fizeram a transição para serem atrizes.

No programa, a colunista de Splash Marcelle Carvalho também reafirmou essa posição de Mila enquanto pioneira, sobretudo em uma época em que ser modelo "não era algo bem visto", e a artista conseguiu ser bem sucedida nos dois espaços: nas passarelas e nas telinhas.

"A Mila conseguiu fazer bem essa transição, trilhou muito bem essa nova carreira, quando optou por ser atriz. Mila foi uma precursora, ela abriu esse espaço e as pessoas que vieram depois, que fizeram essa transição, tinham-na como um exemplo de persistência e talento que conseguiu se firmar bem nessa carreira", opinou.

A jornalista Cristina Padiglione, que também participou do "Splash Vê TV", apontou que Mila Moreira conseguiu trazer uma nova perspectiva de carreira para os profissionais da passarela, que geralmente têm vida profissional curta nessa área.

"De fato, Mila abriu um espaço para as modelos, tanto os homens quanto as mulheres, pensarem em uma carreira mais longeva", afirmou.

Mila Moreira morreu ontem, aos 75 anos, no Hospital CopaStar, na zona sul do Rio de Janeiro, onde estava internada. A causa da morte não foi revelada. Os parentes e amigos foram se despedir da atriz no Memorial do Carmo, no Caju, zona norte da capital fluminense, onde o corpo será cremado.

Antes de estrear em novelas, Mila começou a carreira aos 14 anos como modelo. Na TV Globo, participou de obras como "Plumas e Paetês", "Marrom Glacê", "Ti Ti Ti" e "O Astro" —ao todo, foram 20 novelas e cinco minisséries.

Em entrevista de 2019 ao Gshow, a atriz contou que sofreu preconceito pela mudança de carreira, já que não tinha estudado artes cênicas.

Na época, não era comum ter uma modelo fazendo televisão, então, claro que, inicialmente, teve um preconceito. Todo mundo ficava esperando para meter o pau mesmo. Os olhares tortos eram mais por conta de ser uma pessoa fora da classe. Era como hoje, as pessoas ainda acham que você está roubando o trabalho dos outros. Você estuda para ser atriz e chega alguém que só porque é bonitinha e está na moda vira atriz, disse

'Splash Vê TV'

Apresentado por Débora Miranda ao lado de Aline Ramos, Cristina Padiglione e Marcelle Carvalho, o podcast "Splash Vê TV" vai ao ar às terças-feiras, 13h, no YouTube e demais plataformas de áudio.