PUBLICIDADE
Topo

João Vitor Silva lamenta ataques por cenas quentes em 'Verdades Secretas 2'

Rodrigo Pandolfo e João Vitor Silva em cena de "Verdades Secretas 2" - Reprodução/TV Globo
Rodrigo Pandolfo e João Vitor Silva em cena de "Verdades Secretas 2" Imagem: Reprodução/TV Globo

Colaboração para Splash, no Rio de Janeiro

17/11/2021 09h24

Todos os atores de 'Verdades Secretas 2' já contaram mais detalhes dos bastidores da novela e revelaram que as gravações acontecem de forma muito livre. No entanto, o ator João Vitor Silva virou alvo de comentários por apontarem que ele tinha 'problemas' para gravar cenas quentes com Rodrigo Pandolfo. O artista deixa claro que a situação não passa de invenção e revela que recebeu outros ataques por seu personagem.

"Surgiram boatos de que eu teria tido dificuldade em fazer as cenas com o Pandolfo, por exemplo. Isso nunca aconteceu. Desde o primeiro dia de preparação, nossa conexão e entrega para viver essa história foi livre de qualquer julgamento e preconceito. Basta assistir às cenas para enxergar isso. Fiquei triste com esses ataques porque, além de estarem baseados numa informação completamente equivocada, propagar isso é um desserviço à causa. Acaba reforçando ideias estigmatizadas e preconceituosas que uma parcela da sociedade insiste em manter em relação à comunidade LGBTQIAP+", destaca, em entrevista à colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo.

João ainda enfatiza que entrega o máximo de verdade ao público em suas cenas e pede para que mais atores da comunidade LBGTQIAP+ possam ter mais oportunidades de trabalho em novelas e filmes. "Me sinto extremamente honrado por interpretar um homem gay numa novela que aborda tantas questões da sociedade. Exatamente por entender qual é o meu lugar de fala neste contexto, o mínimo que posso fazer é seguir com a minha postura anti-homofobia", diz.

Por outro lado, Silva gosta de ver o público dividido com relação a seu personagem, que se envolve em confusões familiares por interesse na herança deixada por Alex (Rodrigo Lombardi). "Tenho recebido muitas mensagens. Existem aqueles que têm muita empatia com o Bruno, que têm vontade de pegá-lo no colo e cuidar, mas também existem aqueles que não aprovam de jeito nenhum as suas atitudes e acham um absurdo toda essa briga familiar, a disputa que se deu por conta da herança... Eu adoro essa divisão de opiniões, porque deixa claro que nenhum personagem da novela é 100% bom ou mau", aponta o artista.

Dependência

Grande parte da participação de Bruno, personagem de João Vitor na trama, gira em torno da dependência química do jovem. O ator conta que o assunto é pesado e difícil de lidar: "Todas as cenas envolvendo drogas foram, sem dúvida, as mais difíceis para mim. Eu tenho dependente químico na família. Lidei bastante com o assunto, frequentei grupos de apoio às famílias e, por conta disso, sempre estive muito inserido no assunto. Isso me ajudou bastante, mas, ao mesmo tempo, mexeu em memórias difíceis de serem acessadas. Saía sempre muito mexido das gravações e contei muito com a ajuda do meu terapeuta. Hoje, com o fim das gravações, agradeço profundamente ao universo que me proporcionou viver na dramaturgia o outro lado daquilo que passei em casa. Foi um choque no começo, mas o que fica de aprendizagem é a empatia por essas figuras todas que sofrem com essa doença horrorosa e meu amor por eles", declara, por fim.