PUBLICIDADE
Topo

MC Kevin: modelo diz que foi agredida no rosto e ameaçada por Deolane

A modelo Bianca Dominguez estava com MC Kevin pouco antes da morte do cantor - Reprodução/Instagram
A modelo Bianca Dominguez estava com MC Kevin pouco antes da morte do cantor Imagem: Reprodução/Instagram

Daniela Dutra

Colaboração para Splash, no Rio

11/11/2021 19h33

Bianca Dominguez abriu um boletim de ocorrência contra Deolane Bezerra, viúva de MC Kevin, por agressão e ameaça durante seu terceiro depoimento na tarde ontem sobre a morte do funkeiro. A modelo foi uma das pessoas que estavam no quarto de Kevin no dia da morte dele, em 16 de maio, em um hotel na Barra da Tijuca.

No dia seguinte à morte do cantor, Bianca, Deolane, os amigos Victor Elias Fontenelle (conhecido como Mc VK) e Jonathas Cruz e os hóspedes do hotel foram ouvidos na 16ºDP, Barra da Tijuca. Em certo momento, houve um princípio de confusão na delegacia que rapidamente foi contida pelas pessoas que estavam presentes.

Bianca afirma que sentiu uma pancada em seu rosto vindo de Deolane. Sem saber distinguir se foi um soco ou um tapa, a modelo afirma que ficou com o olho roxo logo em seguida.

No dia 25 de outubro, Deolane Bezerra deixou um comentário em uma publicação no Instagram que falava de declarações de Bianca referente à traição do Kevin:

"O que eu nunca vou aceitar são suas mentiras, nem eu e nem o Ministério Público. Então cala a boquinha que com você eu só queria três minutos", diz um trecho. Três minutos" faz referência a uma expressão popular conhecida como "três minutos de porrada".

Splash procurou Deolane e sua assessoria para comentar sobre as acusações, mas até a conclusão da reportagem não teve retorno.

Deolane Bezerra e o marido MC Kevin - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Deolane Bezerra e o marido MC Kevin
Imagem: Reprodução/Instagram

Depoimento vazado

Bianca e seu advogado, Danilo Andrade, foram hoje até o MPRJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) para se colocar à disposição na elucidação do caso. No meio da tarde, eles descobriram que trechos do depoimento, que era sigiloso, teria sido vazado.

"O que ela trouxe foi sigiloso. Nem a irmã dela estava sabendo disso. Naquela sala estava apenas eu, Bianca, o delegado Leandro Gotijo e a escrivã. Não tinha mais ninguém, isso é muito grave. Pedi ao Ministério Público que investigasse esse vazamento, mas não deram importância", disse Andrade à reportagem.

Procurado pela reportagem, Marcos Kac, promotor responsável pelo caso, explicou que houve um mal entendido: "A informação que foi passada é de que eles deveriam formalizar a reclamação que a promotoria iria dar o devido andamento", explicou.

O MP-RJ pediu que a modelo fosse ouvida pela terceira vez após ela dar novas informações sobre o caso meses depois da morte do cantor.