PUBLICIDADE
Topo

Casal compra sem saber casa que inspirou 'O Exorcista'

"O Exorcista" recebeu 10 indicações ao Oscar, incluindo melhor filme, em 1974 - ALAMY Image caption
'O Exorcista' recebeu 10 indicações ao Oscar, incluindo melhor filme, em 1974 Imagem: ALAMY Image caption

Colaboração para Splash, em São Paulo

30/10/2021 14h43Atualizada em 30/10/2021 15h02

Já imaginou comprar a casa que inspirou um dos filmes de terror mais famosos do cinema? Foi o que aconteceu com Danielle Witt e Ben Rockey-Harris, os novos proprietários da casa "Exorcista".

O casal, que estava encontrando dificuldades no mercado imobiliário, encontrou uma propriedade "boa e acessível" em Cottage City, Maryland, nos arredores de Washington, EUA.

"Fiz muitas pesquisas, olhei se havia convênios. Encontrei a empresa que fez o deck nos fundos. Encontrei sua licença para isso. A única coisa que não procurei no Google foi sobre o bairro de Cottage City em si", diz ao Danielle Witt ao NPR.

Após alguns dias de proposta, a oferta para a compra da casa foi aceita. "Quando nosso corretor de imóveis nos ligou e disse que conseguimos, eu pesquisei no Google — e acredito que gritei", relembra a mulher.

"Honestamente, a primeira coisa que pensei foi: 'Isso vai diminuir nosso valor de revenda'. Sabe, às vezes, você tem que pensar sobre isso. E também, eu não tinha ideia de que isso era baseado em uma história real", conta Danielle.

"Demônios não estão apegados a locais [...] E, honestamente, minha casa tem chances de uma possessão demoníaca que são tão iguais quanto a casa de qualquer outra pessoa. Para mim, essa sempre foi a parte mais assustadora do filme, pode acontecer com qualquer um."

A casa 'exorcista'

A história que inspirou o livro de William Peter Blatty em 1971 e, posteriormente, o filme de William Friedkin, em 1974, é ainda mais antiga. Em 1949, um menino de 14 anos estava supostamente possuído por um demônio em sua casa.

Os detalhes dos relatórios da época apontavam que a propriedade comprada pelo casal Danielle Witt e Ben Rockey-Harris tinha móveis misteriosamente virados, uma sala inexplicavelmente fria e chamados para padres locais.