PUBLICIDADE
Topo

Pâmella Holanda cria ONG para mulheres vítimas de agressão: 'Empolgada'

Pamella Holanda contou a notícia nas redes sociais após o ex-marido ser liberado da prisão - Reprodução/Instagram
Pamella Holanda contou a notícia nas redes sociais após o ex-marido ser liberado da prisão Imagem: Reprodução/Instagram

Colaboração para Splash, em São Paulo

28/10/2021 16h08

Pâmella Holanda, ex-mulher de DJ Ivis, anunciou a criação do Instituto Pamella Holanda para ajudar mulheres vítimas de violências domésticas. "Vai ser de extrema importância para mim e tantas outras", disse.

A influenciadora contou a novidade para os seguidores, no Instagram, poucos dias após a liberação do ex-marido da prisão, após quase 4 meses. O músico foi acusado de agredir Pâmella na, então, casa do casal.

"Vou ter um Instituto para ajudar mulheres que já sofreram violência doméstica. Eu estou super empolgada. Estive reunida com a Prefeitura de Fortaleza. Agora sim, sinto que estou abraçando meu propósito", contou ontem, nos Stories.

"Sempre quis transformar o que aconteceu em algo bom. Eu, como alguém que vivenciou isso, entendo perfeitamente os sentimentos, as dúvidas. É justo da minha parte fortalecer outras mulheres", acrescentou Pâmella.

Prisão de DJ Ivis

Ivis foi preso preventivamente no dia 14 de julho. Pâmella já havia ido à polícia e feito um boletim de ocorrência por agressão contra Ivis no dia 3 de julho. No dia seguinte, o MP (Ministério Público) solicitou uma medida protetiva para a mulher e a filha, o que foi concedido pelo TJ-CE.

Em 27 de julho, o músico foi indiciado pela Polícia Civil do Ceará por três crimes: lesão corporal, ameaça e injúria no âmbito da violência doméstica.

No mês passado, a Justiça do estado do Ceará aceitou a denúncia do MPCE (Ministério Público do Ceará), e o artista ainda se tornou réu por lesão corporal e ameaça — com circunstância agravante.

Pedidos de habeas corpus negados

No dia seguinte à prisão, a defesa do artista entrou com pedido de conversão da prisão de Ivis em medidas cautelares, como o uso da tornozeleira. A solicitação, no entanto, foi negada.

Antes da decisão de soltura, foram seis os pedidos de habeas corpus em favor do músico — todos negados. O último, no início de setembro, foi recusado por Gilmar Mendes, ministro do (STF) Supremo Tribunal Federal.

Como denunciar violência contra a mulher

Mulheres que passaram ou estejam passando por situação de violência, seja física, psicológica ou sexual, podem ligar para o número 180, a Central de Atendimento à Mulher. Funciona em todo o país e no exterior, 24 horas por dia. A ligação é gratuita. O serviço recebe denúncias, dá orientação de especialistas e faz encaminhamento para serviços de proteção e auxílio psicológico. O contato também pode ser feito pelo Whatsapp no número (61) 99656-5008.

Também é possível realizar denúncias de violência contra a mulher pelo aplicativo Direitos Humanos Brasil e na página da Ouvidoria Nacional de Diretos Humanos (ONDH), do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH).