PUBLICIDADE
Topo

Nova vilã de 'Verdades Secretas 2' é portuguesa e já fez 'Pulp Fiction'

A vilã Blanche, interpretada pela atriz portuguesa Maria de Medeiros - Globo / Fábio Rocha
A vilã Blanche, interpretada pela atriz portuguesa Maria de Medeiros Imagem: Globo / Fábio Rocha

Adriana Del Ré

Colaboração para Splash, em São Paulo

22/10/2021 04h00Atualizada em 22/10/2021 09h30

A vilã Fanny terá uma sucessora à altura de sua maldade no comando da agência de modelos em "Verdades Secretas 2". Na nova temporada da novela de Walcyr Carrasco, que estreou quarta (20) no Globoplay, sai de cena a fria personagem de Marieta Severo e entra em seu lugar a calculista Blanche.

Interpretada pela atriz portuguesa Maria de Medeiros, Blanche assume não só as atividades "oficiais" da empresa, como também o esquema de prostituição que acontece nos bastidores. Além do "book rosa", os negócios são ampliados com o "book azul", envolvendo os rapazes da agência.

"Existem o book rosa e o azul, mas a Blanche passa um pouco por cima, é como se não fosse com ela. Claro que é muito importante para a agência porque, do ponto de vista financeiro, há interesse nisso, mas é uma coisa que ela sabe e faz que não sabe", descreve a atriz portuguesa, em entrevista à Splash por videoconferência.

Assim como outros personagens da trama, sua Blanche tem uma "verdade secreta" do passado. "A surpresa é tão grande para mim que não vou dar spoiler", ela faz mistério, com perfeito sotaque de português brasileiro.

Antes da novela, "Pulp Fiction"

Aos 56 anos, Maria de Medeiros é um importante nome do cinema internacional que está fazendo sua estreia numa novela brasileira. Ela brilhou em filmes como "Henry & June", de Philip Kaufman; "Pulp Fiction: Tempo de Violência", de Quentin Tarantino; 'Capitães de Abril', que ela mesma dirigiu; 'Pasolini', de Abel Ferrara, entre tantos outros.

Com "Pulp Fiction", de 1994, a atriz entrou oficialmente no universo cinematográfico de Tarantino como a doce Fabienne, uma personagem que destoava de toda a estética violenta e sangrenta do longa.

Maria e Tarantino já eram amigos e se encontravam em festivais de cinema pelo mundo — inclusive na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, quando ele veio apresentar "Cães de Aluguel", em 1992. Foi nesta ocasião que o diretor enviou a ela o roteiro de "Pulp Fiction".

Tinha mais de 100 páginas, li aquilo e pensei: 'isso é genial; não sei quem vai ver isso, mas eu quero fazer'

A atriz Maria de Medeiros e o diretor Quentin Tarantino nos bastidores de "Pulp Fiction" - Reprodução - Reprodução
A atriz Maria de Medeiros e o diretor Quentin Tarantino nos bastidores de "Pulp Fiction"
Imagem: Reprodução

O longa se tornou um clássico cult e reergueu a carreira de John Travolta. "O que achei tão incrível é que Tarantino conseguiu isso: ter um filme extremamente audacioso do ponto de vista artístico, de uma qualidade literária incrível, que rompia com todas as regras de escrita de roteiro hollywoodianas, com aquele quebra-cabeças cronológico."

A atriz já rodou filmes nos 6 idiomas que fala: português, francês, alemão (três línguas que ela aprendeu na infância), inglês, espanhol e italiano. No Brasil, além de apresentar quase todos seus filmes na Mostra de São Paulo, ela participou da série "Psi", da HBO, e foi uma das protagonistas da peça 'Aos Nossos Filhos', de Laura Castro, interpretando uma mãe em conflito com a filha lésbica que decide ter um bebê com sua companheira. O espetáculo estreou em 2013.

Relação com Marieta

Originalmente, Laura Castro tinha pensado em Marieta Severo para viver o papel da mãe. Aquela foi a primeira vez que os caminhos da atriz portuguesa e de Marieta, de certa forma, se cruzaram. "A Marieta estava ocupada na época gravando e não pôde fazer. Aí Laura me propôs o papel, que foi um papel realmente de composição, porque precisei fazer uma mulher bem mais velha", conta Maria.

A peça deu origem a um filme, agora estrelado pela própria Marieta e dirigido por Maria de Medeiros. O longa vai estrear primeiro na França e depois vem ao Brasil.

"O papel foi escrito para Marieta. Ela está incrível", elogia. "Então, quando surgiu a proposta de 'Verdades Secretas 2', pensei: é a segunda vez que entro depois da Marieta (risos). Embora não seja o mesmo papel, é a personagem que a sucede, que segue na direção da agência, e achei isso muito inesperado."

Marieta viveu a poderosa Fanny na primeira parte de 'Verdades Secretas', que foi ao ar em 2015 e que está sendo reprisada agora na faixa das 11 da TV Globo. Segundo a emissora, a atriz não continuou na sequência da novela por estar no elenco da próxima trama das 9, a inédita 'Um Lugar Ao Sol'.

O convite para Maria de Medeiros viver Blanche partiu de Bruno Safadi, um dos diretores da novela, que a atriz conheceu em festivais de cinema. E Fanny e Blanche têm alguma conexão? "Acho que não, a Fanny vendeu a agência para a Blanche, e elas são personagens muito diferentes. Claro que elas têm em comum o fato de dirigirem a agência, de serem mulheres ambiciosas, empreendedoras, batalhadoras, mas é tudo", responde Maria.

Talvez Blanche seja ainda mais ambígua do que a antiga proprietária da empresa. "Tem uma vilania que se vai revelando", define ela. "O que achei muito bacana que já estava na escrita do Walcyr Carrasco, e que tentei realmente desenvolver, é essa ambiguidade constante que existe nela, porque, ao mesmo tempo, tem momentos que ela é extremamente simpática, solidária, carinhosa, mas pode ser uma fera também. Então, tem realmente um lado luminoso e um lado muito escuro."

Mas, assim como acontecia com Fanny, o amor é o ponto fraco de sua personagem. Blanche é perdidamente apaixonada por Ariel (Sergio Guizé), dono de uma casa noturna. "O que se vê é que ela é uma mulher dedicada à sua carreira e, de repente, essa fraqueza de uma paixão que cai em cima como uma bomba no primeiro olhar, e vai entrar num longo processo trágico para vários personagens."