PUBLICIDADE
Topo

Dinho conta do uso excessivo de drogas e inseguranças na carreira

Dinho Ouro Preto - Reprodução/Facebook
Dinho Ouro Preto Imagem: Reprodução/Facebook

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

18/10/2021 17h50

Dinho Ouro Preto, atualmente com 57 anos, recorda o período 'nebuloso' que passou em sua vida e fala sobre o uso excessivo de drogas e as incertezas e inseguranças que carregou ao longo da carreira.

Em bate-papo no podcast "PodPah", o artista lembra de alguns momentos que passou nos últimos anos e sobre sua recuperação da dependência química.

Ao ser questionado se fazia parte do 'life style' da época, Dinho assume que usava as drogas, na verdade, para "fugir de uma realidade".

"Eu acho que eu fazia mais para afogar essa noção que eu tinha de eu não estar à altura do desafio. Por ser imaturo musicalmente", fala. O cantor reflete que ainda não estava preparado para o sucesso repentino - ele conta que a banda Capital Inicial demorou a se destacar, mas logo no primeiro álbum deslanchou - quando ele tinha 21 anos. "Talvez a frustração de eu saber das minhas próprias limitações tenha me levado a tentar afogar as minhas mágoas, tentar... Uma anestesia, quase. (...) As drogas estavam ligadas à minha percepção de mim mesmo, noção das minhas próprias limitações", assume na entrevista.

Para se recuperar e retomar o controle da própria vida, o cantor precisou de muito tempo: "Fiquei nessa loucura uns três ou quatro anos. É incrível eu ter sobrevivido", diz. Nem o público e nem sequer a própria família de Dinho sabia que ele enfrentava o vício, mas a situação mudou depois que conheceu a esposa, Maria Cattaneo. "Um pouco depois disso eu conheço a minha mulher, que é a minha mulher até hoje. Ela foi a minha salvação. E a partir dali, começo a reconstruir a minha vida do que ela é hoje", comemora.