PUBLICIDADE
Topo

Cena do assassinato dos Richthofen teve dois dias de filmagens e silêncio

Carla Diaz e Leonardo Bittencourt em cena de "A Menina Que Matou Os Pais" e "O Menino Que Matou Meus Pais" - Divulgação
Carla Diaz e Leonardo Bittencourt em cena de 'A Menina Que Matou Os Pais' e 'O Menino Que Matou Meus Pais' Imagem: Divulgação

Fernanda Talarico

De Spalsh

10/10/2021 04h00Atualizada em 11/10/2021 11h04

Desde o lançamento, no último dia 30 de setembro, os filmes "O Menino Que Matou Meus Pais" e "A Menina Que Matou Os Pais" são as produções true crime mais comentadas entre os fãs brasileiros: elas retratam a versão de Suzane Von Richthofen e a de Daniel Cravinhos sobre como foi arquitetado a morte dos pais garota, assassinados a pauladas por Daniel e o irmão, Cristian Cravinhos.

O longa mostra desde que o casal Suzane e Daniel se conhecem, até a consumação do crime. O trecho é mostrado ao final das produções e muitos espectadores se perguntaram como uma cena tão tensa foi feita. "Além de todas as questões técnicas, tivemos uma preparação muito específica com os atores", revelou o produtor responsável pelos filmes, Marcelo Braga, da Santa Rita Filmes, em conversa com Splash.

Um dia importante, delicado e cuidadoso em todos os detalhes para a produção.

Segundo Braga, o aspecto psicológico presente no momento era uma das maiores preocupação da equipe, para assim manter a verossimilhança com o que foi descrito nos autos do processo — registro no qual o roteiro foi baseado.

Demos o tempo necessário para que as cenas, ao serem gravadas das distintas versões, saíssem da melhor forma possível, seguindo ao máximo o descrito nos reais depoimentos, como também buscando o melhor lado cinematográfico dos filmes.

Para a cena, foram usadas duas câmeras e vários takes para se chegar ao desejado pela produção. Além disso, foram usados diferentes efeitos especiais e, diferente do que poderia se imaginar, não foram usados bonecos para a sequência.

Existiram muitos momentos na filmagem onde o silêncio norteava todos os profissionais ali envolvidos. Como um mantra de respeito e respiro profundo a cada cena a ser gravada.

Leonardo Bittencourt, ator que viveu Daniel Cravinhos nos filmes, em entrevista à Splash, contou que ficou com dores nas costas ao terminar de gravar os momentos que, segundo ele, foram "bem intensas". "Foi bastante dedicação, tanto mental quanto física, em que cada um teve o seu próprio processo", contou. Ao final das gravações, os presentes deram as mãos e fizeram um momento de silêncio pelas vítimas.

Foto dos filmes "A Menina que Matou os Pais" e "O Menino que Matou Meus Pais" - Divulgação - Divulgação
Cena das famílias reunidas nos filmes "A Menina que Matou os Pais" e "O Menino que Matou Meus Pais"
Imagem: Divulgação

Do cinema para o streaming

"O Menino Que Matou Meus Pais" e "A Menina Que Matou Os Pais" estavam previstos para serem lançados em abril de 2020, mas por causa da pandemia de covid-19, tiveram as exibições em salas de cinema canceladas. Assim, as obras estrearam direto no streaming do Amazon Prime Video.

Ao ser questionado sobre o que sentiu ao saber sobre adiamento dos filmes, Marcelo Braga contou ter ficado frustrado.

Lembro-me até hoje do dia em que decidimos junto ao distribuidor de que não seria possível o lançamento praticamente no início da pandemia que chegava ao Brasil. Foi frustrante. Sabíamos do impacto positivo que os filmes causariam no mercado, foram feitas dezenas [de projeções] e todas mostravam uma positiva projeção de público para os cinemas.

Passado o sentimento ruim, o produtor agora entende o lado positivo do lançamento no Amazon Prime Video. "O streaming é a bola da vez para conteúdo audiovisual. E, de certa forma, este lançamento mundial, considerando 240 territórios, é muito significante. Estas histórias correrão o planeta. Isso será muito bom para o case que foi criado de realizarmos dois filmes sobre o mesmo caso através de duas versões."

Além disso, Braga está bastante feliz com a repercussão dos filmes. Segundo ele, o grande público entendeu que "trata-se de cinema, uma ficção de um crime real, cruel, sobre uma tragédia, que todos conhecem seu triste final".

Carla Diaz é Suzane Von Richthofen em A Menina Que Matou Os Pais - Stella Carvalho/Divulgação - Stella Carvalho/Divulgação
Carla Diaz é Suzane Von Richthofen em A Menina Que Matou Os Pais
Imagem: Stella Carvalho/Divulgação

Assine Amazon Prime e assista a "A Menina Que Matou os Pais" e "O Menino Que Matou Meus Pais":

Assinar Amazon Prime

*O UOL pode receber uma parcela das vendas pelo link recomendado neste conteúdo. Preços e ofertas da loja não influenciam os critérios de escolha editorial.