PUBLICIDADE
Topo

Ludmilla se oferece para pagar velório de adolescente morto em ação da PM

Ludmilla se ofereceu para pagar velório e enterro de adolescente morto pela PM no Rio - Reprodução/Instagram
Ludmilla se ofereceu para pagar velório e enterro de adolescente morto pela PM no Rio Imagem: Reprodução/Instagram

Colaboração para Splash, em São Paulo

28/09/2021 11h50Atualizada em 28/09/2021 13h27

Ludmilla se engajou na ajuda a família do jovem Samuel Vicente, adolescente de 17 anos que morreu no último sábado durante uma ação policial em Anchieta, zona norte do Rio de Janeiro. Ela inclusive se ofereceu para bancar o velório do rapaz.

A cantora foi ao Twitter pedir ajuda para encontrar os familiares de Samuel. Ela disse ter visto uma matéria sobre o caso na televisão e ficou tocada com o sofrimento dos parentes do adolescente, que alegou passar por dificuldades financeiras.

"Hoje cheguei em casa na hora do jantar, a TV tava ligada no jornal e começou a passar a história do Samuel Vicente. Eu perdi a fome e chorei com a covardia e sofrimento que a mãe desse menino está passando. O enterro dele já foi adiado por falta de verba e eu quero muito ajudar a mãe desse menino a dar um enterro digno para ele, alguém pode me ajudar a achar a família do Samuel?", pediu ela na rede social.

O enterro de Samuel Vicente e de Willian Vasconcellos da Silva, seu padrasto que também morreu na ação policial, aconteceu na manhã de hoje no cemitério de Olinda, que fica na Baixada Fluminense. Horas antes do sepultamento, Lud apareceu novamente no Twitter para avisar que conseguiu contato com a família.

Os dois foram mortos após serem atingidos por diversos tiros, enquanto levavam de moto Camily da Silva Polinário, 18, namorada de Samuel, à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Ricardo de Albuquerque, na zona norte do Rio.

O trio tinha acabado de deixar uma festa em Vilar do Teles, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, porque Camily estava passando mal por ter comido algo que lhe fez bem. Os disparos atingiram os três. O padrasto, um homem branco, e o enteado, um jovem negro, morreram no local e foram levados para o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes.

Camily também foi levada para lá, mas precisou ser transferida para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, ela já recebeu alta. Uma quarta pessoa, que não teve o nome divulgado e não estava com os três, também foi ferida de raspão na perna na ação.