PUBLICIDADE
Topo

Cartunista Ota, ex-editor da revista 'Mad', é encontrado morto aos 67 anos

Cartunista Ota - Reprodução/Facebook
Cartunista Ota Imagem: Reprodução/Facebook

Daniele Dutra

Colaboração para Splash, no Rio

24/09/2021 17h45Atualizada em 24/09/2021 18h18

O cartunista, quadrinista, editor e escritor Ota, de 67 anos, que ficou mais conhecido por trabalhar na revista "Mad", foi encontrado morto em seu apartamento na Tijuca, zona norte do Rio. A informação foi confirmada ao UOL pelo Corpo de Bombeiros.

Após cinco dias sem noticias do cartunista, cujo nome completo é Otacílio Costa d'Assunção Barros, os vizinhos decidiram acionar a polícia e os bombeiros na tarde de hoje.

As equipes chegarem ao local às 14h51 e precisaram arrombar a porta para ter acesso ao apartamento.

Ota foi encontrado sozinho e já sem vida, aparentemente por causas naturais, disseram as autoridades. O corpo do cartunista está aos cuidados da família e até o momento não foi solicitado a remoção para Corpo de Bombeiros.

No apartamento não foram encontrado sinais de invasão. Em nota, a Polícia Militar disse que agentes do 6ºBPM, na Tijuca, foram chamados para atender a ocorrência.

"Ao chegarem no local informado, fizeram contato com o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro, onde foi constatado o óbito do proprietário do apartamento. Todos os procedimentos para a remoção do corpo ficaram a cargo dos familiares", diz a nota.

Trabalho na "Mad" e visão sarcástica

Tirinha de Ota - Reprodução - Reprodução
Tirinha de Ota
Imagem: Reprodução

Ota se formou em jornalismo pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e, em 1973, lançou edições autorais de "Os Birutas", revista que tinha como personagens as tiras diárias lançadas nos anos anteriores. Ele ainda, no período, trabalhou para "A Roleta" e "A Mosca".

Virou editor da edição brasileira da revista "Mad" em 1974, sendo responsável também pelos "Relatórios Ota", caracterizado sempre pelo estilo sarcástico. Na década de 1980, publicou o livro "O Quadrinho Erótico de Carlos Zéfiro".

Entre idas e vindas, Ota ficou como editor da "Mad" até a década de 2000, sendo ainda convidado depois quando a Panini resgatou a revista para supervisionar a produção. Ele ainda foi responsável por traduzir e selecionar quadrinhos clássicos como "Luluzinha", "Recruta Zero" e "Asterix".