PUBLICIDADE
Topo

Disney volta a rebater Scarlett Johansson e quer arbitragem privada

Scarlett Johansson em "Viúva Negra" (2021) - Marvel Studios/DIvulgação
Scarlett Johansson em "Viúva Negra" (2021) Imagem: Marvel Studios/DIvulgação

Colaboração para o Splash

21/08/2021 13h36Atualizada em 21/08/2021 13h36

A novela entre Disney e Scarlett Johannson ganhou um novo capítulo. O estúdio entrou com uma ação para forçar a atriz a uma arbitragem privada para resolver a questão judicial quanto ao lançamento híbrido de "Viúva Negra".

Uma arbitragem privada é um método de resolução de conflitos, no qual as partes definem uma pessoa ou uma entidade privada para solucionar a questão, sem a participação do Poder Judiciário

Na moção, o advogado Daniel Petrocelli também argumenta que a Disney cumpriu sua obrigação de dar ao filme um lançamento "amplo", mas que nada no contrato exigia que o lançamento fosse exclusivo para os cinemas.

Johansson entrou com uma ação em 29 de julho, argumentando que a decisão de lançar simultaneamente "Viúva Negra" nos cinemas e no Disney Plus prejudicou a receita de bilheteria do filme e lhe custou dezenas de milhões de dólares.

Na moção para obrigar a arbitragem, Petrocelli argumentou que "Viúva Negra" teve um bom desempenho, considerando a pandemia em curso. O filme estreou em 9 de julho e arrecadou US$ 80 milhões em seu fim de semana de estreia - bem abaixo dos padrões pré-pandêmicos da Marvel, mas US$ 10 milhões a mais do que "Velozes e Furiosos" da Universal - que foi um lançamento apenas nos cinemas.

A Disney também argumenta que concordou em adicionar números de streaming à bilheteria total para fins de cálculo da participação de lucros de Scarlett quanto ao filme.

Entenda o caso

O contrato de Scarlett é de 2017, dois anos antes da estreia do Disney Plus, portanto, seus termos não contemplam um lançamento em streaming. Os advogados de Johansson argumentaram que o conselho geral da Marvel afirmou em 2019 que o estúdio lançaria o filme "como todos os demais".

No processo, a atriz disse que seu contrato com a Marvel Entertainment garantia um lançamento exclusivo no cinema, e seu salário se baseava em grande parte no desempenho de bilheteria do filme.

O Wall Street Jornal afirma que, neste formato, a atriz pode deixar de receber US$ 50 milhões.

A Disney induziu intencionalmente a violação do contrato da Marvel, sem justificativa, para evitar que a Sra. Johansson percebesse todos os benefícios de sua barganha com a Marvel. diz o documento

Na última semana, a Associação Nacional de Donos de Cinemas (NATO) dos Estados Unidos também divulgou uma nota alegando que a aventura da Marvel teve uma performance abaixo do esperado por causa do Disney +.

"Viúva Negra" foi lançado ao mesmo tempo nos cinemas e na plataforma de streaming da Casa do Mickey Mouse, sob um aluguel que custa US$ 30 nos Estados Unidos, e R$ 69,90 no Brasil.

Segundo a associação, o modelo — chamado de "Premier Access" — fez a empresa e toda a indústria perderem dinheiro sobre o longa de Scarlett Johansson.

Posição da Disney

A companhia afirmou, em nota, que a ação não tem qualquer fundamento, chamando ainda o caso de "triste". A Disney afirmou que a atriz recebeu, apenas por este filme, US$ 20 milhões — aproximadamente R$ 100 milhões.

"Não há mérito algum neste processo, que é especialmente triste e angustiante em seu desrespeito cruel pelos terríveis e prolongados efeitos globais da pandemia da covid-19. A Disney cumpriu totalmente o contrato da Sra. Johansson e, além disso, o lançamento de 'Viúva Negra' no Disney + com Premier Access aumentou significativamente sua capacidade de ganhar uma compensação adicional em cima dos US$ 20 milhões que ela recebeu até o momento."