PUBLICIDADE
Topo

Mario Frias cogita que incêndio na Cinemateca possa ser 'criminoso'

Do Splash, em São Paulo

29/07/2021 20h49Atualizada em 30/07/2021 00h10

Secretário especial da cultura, Mario Frias se manifestou após o incêndio em um galpão da Cinemateca Brasileira. Ele afirma que a Polícia Federal vai checar se a incidente foi causado por uma ação criminosa.

"A Polícia Federal está a caminho. Fará perícia para descobrirmos se foi um incêndio criminoso ou não", disse o ator, em publicação no Twitter, sem apresentar qualquer prova para justificar a suspeita.

Antes das mensagens compartilhadas por Mario Frias, a Secretaria Especial da Cultura compartilhou uma nota lamentando o ocorrido e informando que pediu o apoio da Polícia Federal para seguir com as investigações, mas sem citar a possibilidade do incidente ter sido proposital.

Cabe registrar que todo o sistema de climatização do espaço passou por manutenção há cerca de um mês como parte do esforço do governo federal para manter o acervo da instituição. A Secretaria já solicitou apoio à Polícia Federal para investigação das causas do incêndio e só após o seu controle total pelo Corpo de Bombeiros que atua no local poderá determinar o impacto e as ações necessárias para uma eventual recuperação do acervo e, também, do espaço físico.
Nota divulgada pela Secretaria Especial da Cultura

A possibilidade do incêndio foi apontada em comunicado divulgado por servidores em abril. Os profissionais destacavam que o local não contava com a supervisão de um corpo técnico e pediam por uma ação emergencial do governo para preservar o acervo.

Comandada por Mario Frias, a Secretaria Especial de Cultura responde pela administração da Cinemateca Brasileira. Ele e André Porciuncula, que também faz parte da secretaria, chegaram ontem em Roma, Itália, para participação em uma conferência dos ministros da cultura do G20.

O ator compartilhou um vídeo nas redes sociais hoje comentando sobre o evento.

Incêndio

A unidade da Cinemateca Brasileira na Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo, teve o galpão de arquivo comprometido - uma área de cerca de 1 mil m². Segundo os bombeiros, não há registro de vítimas até o momento.

Ao todo, 50 bombeiros e dezessete viaturas estão no local para controlar as chamas. O incidente teria começado no teto, por volta das 18h, mas está próximo de ser controlado.