PUBLICIDADE
Topo

Ator de 'Prision Break' revela diagnóstico de autismo

Wentworth Miller - Reprodução
Wentworth Miller Imagem: Reprodução

Colaboração para Splash, em São Paulo

27/07/2021 16h31

Wentworth Miller, conhecido por protagonizar a série "Prision Break", revelou ser autista. O ator de 49 anos contou que foi diagnosticado no ano passado.

"No isolamento, eu encontrei presentes inesperados. Neste outono completa um ano desde que recebi meu diagnóstico de autismo informal. Precedido por um auto diagnóstico. Seguido por um diagnóstico formal", escreveu Miller em uma publicação no Instagram.

"Foi um processo longo e falho, que, na minha opinião, precisa ser atualizado. Sou um homem de meia-idade. Não uma criança de cinco anos. E eu reconheço que acesso a um diagnóstico é um privilégio que não agrada a muitos", disse.

"Vamos dizer que foi um choque, mas não uma surpresa", confessou. E não quis se posicionar como porta-voz para autistas: "Existe agora uma narrativa cultural familiar (da qual eu já participei) sobre 'figura pública compartilha A, B e C publicamente, dedica plataforma para D, E e F'. Bom para eles. Sério. Mas não é necessariamente o que vai acontecer aqui".

"Eu não sei o suficiente sobre autismo (há muito para saber)", explicou. "Neste momento, meu trabalho parece evoluir meu entendimento. [Estou] Reexaminando cinco décadas de experiências vividas através de lentes. Vai levar tempo".

Miller continuou: "Enquanto isso, não quero correr o risco de, de repente, ser uma voz alta e mal informada. A comunidade autista (isto eu sei) tem historicamente tido outras pessoas falando em seu lugar. Eu não quero trazer mais prejuízos. [Quero] Apenas erguer minha mão e dizer: 'estou aqui. Sempre estive (sem perceber)'".

"Se alguém estiver interessado em mergulhar em autismo e neurodiversidade, lhes indicarei vários indivíduos compartilhando conteúdo inspirador no Instagram e TikTok", sugeriu o ator. "Descompactando a terminologia. Adicionando nuance. Lutando contra o estigma. Esses criadores de conteúdo (alguns bem jovens) falam sobre os assuntos relevantes com mais conhecimento/fluência que eu (eles têm me ensinado também)".

"Essa é a extensão do que estou inclinado a compartilhar no momento", declarou. E, por fim, reforçou: "Ah, isso [autismo] não é algo que eu mudaria. Não. Eu entendo - entendi - imediatamente que ser autista é central para ser quem eu sou. Para tudo que eu já conquistei e articulei".