PUBLICIDADE
Topo

Lin-Manuel Miranda comenta críticas por falta de diversidade em novo filme

Lin-Manuel Miranda em "Hamilton"  - Theo Wargo/Getty Images/AFP
Lin-Manuel Miranda em 'Hamilton' Imagem: Theo Wargo/Getty Images/AFP

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

17/06/2021 22h31

Lin-Manuel Miranda, dramaturgo e produtor premiado, comentou, em uma conversa para o talk show de Trevor Noah, as críticas por falta de representatividade que recebeu sobre o seu filme "Em um Bairro de Nova York", que chegou aos cinemas hoje.

Críticos e espectadores criticaram a falta de negros de pele retinta no filme, que é uma adaptação de um musical da Broadway criado por Lin-Manuel e fala sobre um bairro predominantemente latino de Nova York, Washington Heights — onde o dramaturgo, que tem origem porto-riquenha, nasceu.

Em conversa com Trevor, o produtor contou como lidou com as críticas e afirmou que só o resta aprender:

Eu não posso controlar como as pessoas se sentem. Mais uma vez, tudo o que eu quero é que aquela vizinhança se sinta vista, e se tem um segmento dela que não se sente vista e estão falando isso, você tem que reconhecer. Tudo o que eu posso fazer é aprender com isso e prometer fazer melhor. Tem muita afro-latinidade no filme e as críticas foram especificamente sobre a falta de afro-latinos de pele escura nos principais papéis e eu entendo totalmente, eu recebo as críticas e preciso fazer melhor no próximo projeto. Lin-Manuel Miranda

"Nós recebemos muito amor e carinho, filmamos no bairro, eu estou feliz de aprender com isso e trazer esse aprendizado no próximo trabalho, mas de também ter um espaço para me orgulhar de algo que fizemos que é metade da minha vida", acrescentou ele.

Na última segunda-feira (14), o produtor pediu desculpas através de seu perfil no Twitter, dizendo estar atento e ouvindo todos os comentários.

"Comecei a escrever 'Em Um Bairro de Nova York' porque não me senti visto. E, nos últimos 20 anos, tudo que eu queria era que nós - TODOS nós - nos sentíssemos vistos. [...] Eu vejo toda a dor e frustração sobre o colorismo, sobre não se sentir visto no filme. Eu vejo que, sem representatividade de negros retintos o suficiente, o trabalho parece um extrato da comunidade que queríamos tanto representar com orgulho e alegria", escreveu ele.

"Eu peço desculpas. Eu estou aprendendo com as críticas, eu agradeço por levantá-las, eu estou ouvindo-as. [...] Prometo fazer melhor em meus projetos futuros e me dedico ao aprendizado e à evolução que todos temos que fazer para garantir que estamos honrando nossa comunidade diversificada e vibrante", finalizou o dramaturgo.

Ainda em entrevista para Trevor Noah, Lin-Manuel refletiu sobre o sucesso de seus projetos, como o musical "Hamilton", afirmando que duvidou se eles iriam ser bem-sucedidos.

"Sua crença na ideia tem que ser mais forte do que o que o mundo está propondo, certo? Seu trabalho como artista é escrever o que está faltando. Eu não via um futuro para mim no teatro musical", disse.