PUBLICIDADE
Topo

Lisey's Story: Julianne Moore estrela conto sombrio de Stephen King

Julianne Moore em cena do primeiro episódio de 'Lisey's Story', da Apple
Julianne Moore em cena do primeiro episódio de 'Lisey's Story', da Apple
Divulgação

Beatriz Amendola

Colaboração para Splash

08/06/2021 04h00

Stephen King é, sem dúvidas, um dos autores mais adaptados por Hollywood, tendo inspirado obras como "O Iluminado" a "It - A Coisa".

Agora ele chega à TV, pelo Apple TV+, com uma minissérie baseada no livro que considera seu favorito: "Love: A História de Lisey".

Em "Lisey's Story", Julianne Moore vive a personagem-título, uma mulher em luto pela morte do marido (Clive Owen), que se vê obrigada revisitar seu casamento quando começa a ser perseguida por um fã do falecido, um autor cultuado.

Continua depois da publicidade

A história tem um ar de "um conto de fadas sombrio e muito sofisticado", nas palavras do produtor J.J. Abrams ("Star Wars: O Despertar da Força").

Ela foi traduzida para a tela com uma bela atmosfera surreal, comandada pelo diretor chileno Pablo Larrain ("Jackie"). Mas seu principal diferencial está em sua história de amor -o que foi um atrativo para Julianne.

Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

"Achei fascinante que fosse uma história sobre um relacionamento adulto, um casamento longo, íntimo e bem-sucedido", diz ela a Splash, antes de notar que há muitas histórias sobre o início do amor, mas poucas sobre o que vem depois do "felizes para sempre".

Continua depois da publicidade
Para qualquer um que já esteve em um longo relacionamento, conhecer alguém é só o começo de uma jornada longa e íntima, às vezes muito complicada.

O trabalho de Julianne foi intenso. A série, afinal, transita entre presente e passado, e sua Lisey enfrenta muita coisa nos 8 episódios da série, do luto a problemas familiares.

Divulgação - Divulgação
Julianne Moore e Joan Allen em 'Lisey?s Story'
Imagem: Divulgação

Para a atriz, foi desafiador passar por tantos sentimentos ao longo dos seis meses de filmagens (que ainda por cima chegaram a ser interrompidos pela pandemia de covid-19). Mas não chegou a ser um fardo.

Você só se sente triste enquanto ator quando você não conseguiu alcançar algo. Como eu estava trabalhando com pessoas muito talentosas, eu ficava animada para fazer um pouco mais.