PUBLICIDADE
Topo

MC Serginho relembra Lacraia e faz homenagem: 'Me transformou'

MC Serginho e Lacraia - Reprodução/Instagram
MC Serginho e Lacraia Imagem: Reprodução/Instagram

Colaboração para o Splash, em São Paulo

12/05/2021 07h55Atualizada em 12/05/2021 07h57

A morte de Lacraia, parceira musical de MC Serginho, está completando 10 anos. A dupla, expoente do funk, conquistou o Brasil nos anos 2000 com os hits "Vai Lacraia" e "Eguinha Pocotó", e até hoje o cantor se emociona ao falar sobre ela, que morreu aos 33 anos de idade.

"São duas datas. Em oito de maio, minha filha faz aniversário. E, no dia dez, foi o dia em que a Lacraia morreu. É difícil não lembrar. Recebo mensagem de todo mundo, mandando muito carinho. Minha oração é para ela se manter iluminada, onde estiver e a cada dia. Passei 12 anos da minha vida com a Lacraia, convivendo diariamente. A gente sabe que é uma coisa certa. Mas é difícil de a gente aceitar", afirmou Serginho em entrevista para o "Extra".

O artista disse manter contato de vez em quando com parentes de Lacraia. "Estão todos bem. Às vezes vejo a mãe, Dona Maria Alice, as irmãs... A mais nova postou sobre a saudade da Lacraia. Eles eram muito agarrados", recordou.

Serginho e Lacraia se conheceram na quadra do Salgueiro. Ambos são da comunidade de Jacarezinho, na zona norte do Rio de Janeiro, e logo se tornaram amigos. Não demorou para que a parceria profissional nascesse e logo se tornaram um sucesso regional, expandindo depois para os dois hits gigantes que os tornaram famosos no Brasil inteiro.

O cantor considera Lacraia um marco para a comunidade LGBT e na luta contra o preconceito. De acordo com ele, Lacraia respondia com bom humor quando algum problema do tipo ocorria, mas houve momentos tensos.

"Nós fomos em um jogo no Maracanã e decidimos sair um pouco antes do fim da partida para evitar a multidão. Dois rapazes saíam do banheiro. Um deles deu um tapa nela, estava bêbado. Reclamei. Ele deu outro. Aí eu caí para dentro. Mas depois ficou tudo bem. E a gente até conversou", contou.

Serginho também contou sobre um show feito em uma cidade do interior, quando Lacraia foi recebida por um grupo formado por vários homossexuais, que a homenagearam e agradeceram pela visibilidade.

Tem antes e depois da Lacraia. Na cidade do interior, esse grupo de LGBTs assumidos agradeceram. Disseram que antes as pessoas gritavam para eles 'viados escrotos', e agora gritavam 'vai lacraia'. A gente entendeu que tinha um papel importante na missão de ressocializar as pessoas (da comunidade LGBT). Arrisco dizer que não há pessoa mais importante do que ela nisso.

Ele prosseguiu: "Por que depois, o tema começou a aparecer mais na televisão, nas novelas... Foi um grito de liberdade: quem estava em cima do muro, caiu; e quem estava no armário, saiu", comemorou o MC, que mantém com carinho as lembranças dos tempos em que a dupla estava no auge do sucesso.

"É inexplicável. Só quem perdeu alguém assim sabe como é. Não fui a lugar nenhum sozinho. Para mim foi um privilégio. Por isso, oro pela minha mãe, pelo meu pai e pela Lacraia, que me fez conhecer coisas, apresentou situações, pessoas e me transformou", destacou.